Covid-19: Meneguzzi solicita a interdição da UBS Cinquentenário após confirmação de surto

julho 2, 2020

O Vereador Alberto Meneguzzi ( PSB) recebeu no final da tarde desta quinta-feira (02.07), por parte da Secretaria Municipal da Saúde de Caxias do Sul (SMS) a confirmação de que oito funcionários da UBS do Cinquentenário estão afastados em função da Covid-19.  Existem três casos que testaram positivo. “Entendo que com um número tão grande de casos confirmados e de afastamentos por suspeita, o local precisa ser interditado.” O parlamentar, que é integrante da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul entende que a interdição é urgente. ” Mesmo que a Secretaria da Saúde esteja tomando medidas preventivas como afastamento dos servidores, testagem e modificações no refeitório ( provável origem do surto), é preciso priorizar a saúde dos servidores e dos usuários do SUS que utilizam os serviços da UBS) . A Secretaria de Saúde informou ao Vereador Meneguzzi, que nesta sexta-feira ( 03.07) haverá a sanitização do local. ” Reitero: é preciso interditar o local imediatamente.”

 

 

Caxias do Sul permanece como bandeira vermelha do Coronavírus

junho 13, 2020

Conforme a classificação final das regiões de Caxias do Sul, Santo Ângelo, Santa Maria e Uruguaiana foram incluídas na bandeira vermelha do Coronavírus, a partir desta segunda-feira (15). O Executivo pediu reclassificação, mas o governo do Estado manteve o status e deverá revisar somente neste fim de semana.

De acordo com os critérios calculados pelo modelo de Distanciamento Controlado, é preciso esclarecer o que muda nesses locais nos quais o risco de contágio do coronavírus é considerado alto. A bandeira vermelha, em essência, impõe restrições mais severas àquelas adotadas em áreas com bandeira laranja. Sendo assim, nas regiões classificadas neste sábado (13/6) como bandeira vermelha, somente estabelecimentos que vendem itens essenciais podem estar abertos, mantendo 50% dos trabalhadores. Os demais locais de comércio devem ficar fechados.

Restaurantes e lancherias ficam proibidos de receber clientes no local, mas podem atender em sistema de tele-entrega, drive-thru e pegue e leve. Nos shoppings, também fica permitido o acesso apenas a serviços essenciais, como farmácias, lavanderias e supermercados, que podem operar com apenas 25% dos funcionários. Fora isso, os shoppings devem permanecer fechados, sem circulação de pessoas.

As aulas devem ser mantidas de forma remota. Cursos livres, cujo funcionamento seria permitido, com respeito às medidas sanitárias, a partir do dia 15 de junho, devem permanecer fechados, assim como escolas de ensino infantil, fundamental e médio e universidades.

Academias, missas e serviços religiosos, clubes sociais e esportivos (mesmo que com atendimento individual), e serviços de higiene pessoal, como cabeleireiro e barbeiro, por exemplo, passam a ser totalmente vedados.

O modelo de Distanciamento Controlado está dividido em protocolos que devem ser adotados para cada atividade econômica conforme a bandeira semanal. Por isso, é preciso que os moradores de cada uma das regiões acessem o site distanciamentocontrolado.rs.gov.br para consultar os protocolos específicos de cada setor.

Todas as regiões, seja qual for a bandeira na qual está classificada, devem seguir todos os protocolos de prevenção, que incluem uso de máscara, distanciamento entre as pessoas, higienização dos ambientes e das mãos, uso de equipamento de proteção individual (EPI), afastamento de casos positivos ou suspeitos, teto de ocupação e atendimento diferenciado para grupos de risco.

Ajustes no modelo de Distanciamento Controlado

O modelo de Distanciamento Controlado foi implementado dia 10 de maio e está amparado em evidências científicas e análise de dados para definir níveis de riscos, traduzidos em bandeiras, e aplicar restrições na proporção, momento e local em que forem necessárias, com protocolos para cada atividade econômica conforme a região.

Na primeira rodada do modelo, em 10 de maio, a região de Lajeado foi classificada como vermelha. Na rodada seguinte, conseguiu reduzir para bandeira laranja (risco médio) e, desde então, nenhuma das 20 regiões foi classificada como bandeira vermelha.

Ajustes anunciados na quinta-feira (11/6), porém, fizeram com o que o modelo se tornasse mais sensível a mudanças, a fim de que o Estado possa dar mais segurança de atendimento hospitalar no futuro. Houve ajuste no ponto de corte de sete indicadores, alteração de indicadores, e modificação e adoção de dois gatilhos de segurança.

Com a sexta rodada do Distanciamento Controlado, fica vigente a regra das bandeiras vermelha e preta (risco altíssimo). Se uma região atingir bandeira final vermelha – como Caxias do Sul, Santo Ângelo, Santa Maria e Uruguaiana – ou preta, será preciso que permaneçam, por duas semanas consecutivas, com classificação final em bandeira de menor gravidade. Somente assim será possível que a região possa obter redução na classificação de risco. A medida trará maior segurança para caracterizar a efetiva melhora nas condições de uma região.

BANDEIRA VERMELHA: O QUE MUDA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Redução no teto de operação (número máximo permitido de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no ambiente de trabalho, aplicado a serviços com quatro ou mais trabalhadores) dos serviços públicos não essenciais, restrito a 25% dos trabalhadores.
Serviço de habilitação de condutores com operação restrita a apenas 50% dos trabalhadores.
Serviços públicos essenciais, como segurança e manutenção de ordem pública, política e administração do trânsito, bem como atividades de fiscalização e inspeção sanitária, não têm a operação afetada com a bandeira vermelha.

AGROPECUÁRIA
Produção e serviços relacionados à agricultura, pecuária e produção florestal sofrem redução no teto de operação a 50% dos trabalhadores.

ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
Restaurantes, padarias e lanchonetes deixam de operar na modalidade presencial, ofertando serviços apenas por meio de tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.
Hotéis, por sua vez, passam a operar com apenas 40% dos quartos disponíveis.

COMÉRCIO
Na bandeira vermelha, o comércio de rua e em centros comerciais ou shopping é suspenso, e os estabelecimentos devem ficar fechados. O mesmo ocorre para o comércio de veículos.
Somente poderão operar estabelecimentos que comercializem itens essenciais, como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte. Mesmo assim, farmácias, supermercados e postos de gasolina têm operação reduzida a 50% dos trabalhadores.
Serviços de manutenção e reparação de veículos automotores passam a operar com apenas 25% dos trabalhadores.
Comércio atacadista de itens não essenciais deixa de atender na modalidade presencial. O teto de operação é reduzido a 25% dos trabalhadores, com atendimento exclusivo via tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

EDUCAÇÃO
A partir do dia 15 de junho, algumas atividades de ensino serão retomadas nas bandeiras laranja e amarela. Na bandeira vermelha, portanto, as atividades de cursos livres ficam suspensas. Nas universidades, somente são mantidas em funcionamento na bandeira vermelha as atividades de laboratório necessárias à manutenção de seres vivos. Demais atividades de ensino seguem na modalidade remota, exclusivamente.

INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
Construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços de construção, por serem considerados essenciais, sofrem apenas redução na operação, passando de 100% para 75% dos trabalhadores na bandeira vermelha.

INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA
Passam a operar com apenas 50% dos trabalhadores, à exceção das consideradas essenciais, como alimentação, bebidas, fármacos e de extração de petróleo e minerais, que têm o teto reduzido de 100% para 75% de trabalhadores.
Para atender a essa restrição no total de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no estabelecimento, sugere-se que, além do teletrabalho, as indústrias adotem regimes de escala, rodízio e/ou turnos alternativos para a manutenção da produção.

SAÚDE
No campo da saúde, vital ao enfrentamento da pandemia, os serviços não são afetados. No entanto, recomenda-se a postergação de consultas eletivas.
Serviços de veterinária, porém, têm a atividade reduzida para 50% dos trabalhadores.

SERVIÇOS
Com a bandeira vermelha, ficam fechadas todas as atividades relacionadas à arte, cultura e lazer, incluindo academias de ginástica, clubes sociais e esportivos.
Ficam vedadas também as atividades de captação de áudio e vídeo em teatros e casas de espetáculo, de empréstimo e consulta de itens em museus, bibliotecas e acervos, bem como os ateliês de arte, os quais recentemente foram liberadas nas bandeiras amarela e laranja em teatros.
Parques, jardins botânicos e zoológicos são fechados para atendimento ao público, sendo permitida a operação de 50% dos trabalhadores para manutenção dos espaços e seres vivos.
Serviços religiosos em templos igrejas e similares ficam fechados, não podendo receber o público de fiéis. No entanto, segue sendo permitida a captação de áudio e vídeo dos serviços religiosos, como missas.
Serviços de higiene pessoal (cabeleireiro e barbeiro) não podem abrir na bandeira vermelha, assim como agências de viagens.
Serviços de imobiliários, de consultora e administrativos passam a atender somente via teleatendimento, com no máximo 25% dos trabalhadores presentes no estabelecimento.
Serviços bancários e de advocacia permanecem com atendimento presencial restrito, com no máximo 50% dos trabalhadores.
Por fim, serviços de lavanderia e de reparo e de manutenção de objetos, considerados essenciais, permanecem abertos aos clientes, mas com teto de operação reduzido a 25% dos trabalhadores.

SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
Serviços de edição e edição integrada à mídia impressa, bem como de produção de vídeos e programas de televisão, seguem autorizados a funcionar, com teto de operação reduzido a 50% dos trabalhadores. A atividade de rádio e televisão, porém, não sofre alteração, seguindo com operação de 75% dos funcionários.

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA
Serviços de utilidade pública não sofrem alteração na operação com a vigência da bandeira vermelha, dado sua essencialidade. Seguem atuando com 100% dos trabalhadores.
No entanto, mesmo com 100% de operação permitida, esses estabelecimentos devem respeitar o número máximo de pessoas por ambiente permitido com o distanciamento mínimo obrigatório entre pessoas, isto é, respeitar o teto de ocupação.
Em escritórios pequenos, o limite de ocupação de um ambiente pode levar a um estabelecimento ter menos trabalhadores atuando presencialmente de forma simultânea, mesmo com a operação de 100% autorizada.

TRANSPORTES
O transporte de passageiros passa a operar com apenas 50% dos assentos da janela disponíveis. Sendo ambiente de aglomeração e propenso à disseminação do vírus, esse protocolo de operação deve ser estritamente respeitado nas bandeiras de maior risco.

 

 

 

Mensagem: “Tudo isso vai passar, mas queria que passasse logo”

abril 26, 2020

Uma revolução de pensamentos, ideias, sentimentos, decisões: esse período de pandemia tem sido assim, pelo menos para mim. Reafirmei alguns propósitos, reposicionei alguns projetos, descartei muitas “tralhas”.
Não trato pessoas como coisas, mas até nisso eu estou mais consciente: quem vale a pena ter por perto e quem não vale nem mais insistir.
É tudo muito louco o que estamos passando. Comigo, um “Velho Alberto” ressurge, na sua essência, como se fosse o menino sonhador que outrora fui. Por um outro lado, nasce um “novo Alberto”, com uma força incrível para recomeçar e com uma vontade enorme de fazer as coisas de um outro jeito.
É um tsunami de emoções que estão muito presentes na minha vida neste momento.
E eu, a cada dia, tento controlar tudo isso. Vou abrir o meu coração: ando ansioso, angustiado, em alguns momentos triste. Teve dias que até chorei, assim, do nada pensando em tudo que estamos passando. Não consigo ver “covas” sendo abertas, filhos enterrando seus pais, netos chorando pelos seus avós, profissionais da saúde exaustos, milhares de mortos em todo mundo e achar tudo isso normal. Fico tocado, chocado até.
Tudo isso vai passar, eu sei, mas eu queria que passasse de uma vez, que acabasse de uma vez por todas este drama, estas notícias ruins, este momento pesado. Sei lá se vocês me entendem, mas estou assim, com os nervos à flor da pele, como se fosse aquele “pet” na porta de casa, olhando pra fora, pronto para sair por aí para passear, louco para se jogar num novo dia, num novo jeito, numa nova era.
Apesar de tantos sentimentos difusos que tomam conta de mim, mesmo assim, eu acredito em dias melhores e vou continuar acreditando. Porque diante de tudo isso, o que eu mais quero é viver, de outro jeito, mas quero vida e vida em abundância. “

 

Prefeitura de Caxias faz 2,5 mil vistorias desde o início do decreto e adverte 60% dos estabelecimentos vistoriados

abril 2, 2020

Oito bares foram interditados em diferentes pontos da Cidade de Caxias. A ação que foi preventiva e também seguiu denúncias da comunidade via Alô Caxias,  aconteceu na noite da última terça-feira (31.03)

Segundo a Prefeitura de Caxias, durante o dia, a fiscalização também fechou estabelecimentos comerciais na área central. Estabelecimentos estes que não se enquadram em serviços essenciais à população, conforme decretos de combate ao coronavírus.

Desde o início do decreto de fechamento de estabelecimentos, dia 18 de março, já foram realizadas pela Secretaria de Urbanismo, mais de 2,5 mil vistorias, 60% dos estabelecimentos foram advertidos e apenas um, até agora, foi multado.

(*Fonte: Caxias.rs.gov.br  Foto: Andreia Copini)

Bispo de Caxias do Sul oferece estrutura do Centro de Pastoral e da Casa de Retiros para ajudar no combate ao coronavirus

março 30, 2020

O  bispo diocesano de Caxias do Sul,  Dom José Gilson esteve na manhã desta segunda-feira ( 30,03) na Prefeitura de Caxias do Sul e se reuniu com o Prefeito e secretários municipais. Dom José Gislon colocou à disposição do município, duas áreas pertencentes  a Mitra Diocesana para possível organização de hospitais de campanha: o Centro Diocesano de Formação Pastoral com 64 leitos, no bairro Colina Sorriso e a Casa de Retiro, localizada no bairro Diamantino, com 45 leitos.

Dom José Gislon também informou que a Igreja Católica fará uma campanha de arrecadação de alimentos que será disponibilizado para a Fundação de Assistência Social ( FAS) que posteriormente, ficará responsável pela distribuição.

O bispo ainda colocou duas áreas da Mitra para possível organização de hospitais de campanha: o Centro Diocesano de Formação Pastoral com 64 leitos, no bairro Colina Sorriso e a Casa de Retiro, localizada no bairro Diamantino, com 45 leitos.

 

Meneguzzi apoia manifestação do Ministro da Saúde: ” É hora de agir com racionalidade e não no impulso”

março 29, 2020

O vereador Meneguzzi apoia as manifestações do Ministro da Saúde feitas neste sábado, dia 28 de março. Em entrevista coletiva  Luiz Henrique Mandetta reforçou a necessidade de aumentar e uniformizar as medidas de isolamento no país para conter o novo coronavírus (covid-19).
Entre outras coisas, ele disse:
“Nós precisamos ter racionalidade e não nos mover por impulso neste momento. Nós vamos nos mover, pela ciência e pela parte técnica, com planejamento. Não é hora de carreata, de efeito manada”.

Vereador cobra definições do Executivo sobre o futuro do pronto atendimento em Caxias

fevereiro 5, 2020

Meneguzzi questiona posicionamento do governo municipal sobre denúncias contra o IGH e InSaúde

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB participou, na tarde desta quarta-feira (05), de uma reunião da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (CSMA) com o novo secretário municipal de Saúde, Jorge Olavo Castro. Também participaram a secretária de Governo, Grégora Fortuna dos Passos e os demais integrantes do grupo de trabalho.

Meneguzzi cobrou do gestor definições sobre várias situações que envolvem, principalmente, o pronto atendimento em Caxias. Entre os questionamentos, sobre a proposta de municipalização do serviço, o qual ele perguntou se a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) já calculou o custo da gestão própria e se o Município tem condições de arcar com esse valor.

O parlamentar também pediu esclarecimentos sobre uma suposta volta ao sistema de cotas no atendimento médico, e não por hora trabalhada, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), como era anteriormente. Olavo afirmou que o atual governo não pretende reimplantar as cotas. Ele ainda perguntou sobre as medidas adotadas pela nova gestão sobre o relatório de prestação de contas 2017/2019 do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que administra a UPA Zona Norte, que apontou a devolução R$ 1,9 milhão, referente a irregularidades financeiras na execução do contrato. Com relação ao estimadas emque devem ser aos cofres públicos.

Alberto Meneguzzi ainda revelou ao secretário, denúncias recebidas por ele, de que o Instituto Nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde (InSaúde), que assumiu a nova UPA Central em dezembro do ano passado, um mês depois já demitiu funcionários, sem ter pago as rescisões trabalhistas. Jorge Olavo disse que não tinha conhecimento dos fatos e afirmou adotar providências sobre a questão. “Contrataram os profissionais e 30 dias depois demitem eles, sem pagar o básico, que são os direitos trabalhistas. Direitos estes, que o IGH também descumpre há três anos, antes com a conivência do governo anterior, porque denúncias não faltaram de minha parte no Legislativo. Espero que esta nova gestão moralize a fiscalização do dinheiro público investido nos serviços de saúde à população”, afirmou. O secretário explicou que o pagamento ao InSaúde é feito proporcional aos serviços já instalados e a diferença vai para o Fundo de Reserva. Segundo Meneguzzi, um valor que fica inviabilizado e não pode ser utilizado para outro fim.

O vereador ainda cobrou providências contra as várias denúncias de assédio moral aos funcionários do IGH. O secretário informou que foram aberto processos de sindicância, ainda sem conclusão final. 

Alberto Meneguzzi e diretoria do Sindiserv reiteram luta pela municipalização do pronto atendimento

janeiro 30, 2020

Parlamentar defende decisão conjunta entre os órgãos de gestão, fiscalização e controle

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo (CSMA), vereador Alberto Meneguzzi/PSB recebeu, na manhã desta quinta-feira (30), a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindiserv), Silvana Piroli. Também participaram o secretário-geral, Valderes Fernando Leite e a delegada sindical, Magda Beatriz Teles.

A principal temática foi a atual situação da rede pública de saúde de Caxias. Em destaque, os problemas gerados pela terceirização das UPAs Central e Zona Norte. A líder sindical e o vereador concordam que o pronto atendimento precisa ser municipalizado, por meio do trabalho de servidores públicos.

Meneguzzi e Silvana concordam que o Executivo precisa reavaliar o sistema de gestão compartilhada das UPAs, adotada no governo anterior. “Medida equivocada do prefeito cassado, que só trouxe prejuízo para a população do ponto de vista do atendimento, para os funcionários e, além disso, para os cofres públicos, já que o Município, depois de 19 meses, montou uma Comissão, cujo relatório revelei à comunidade, cobrando R$ 1,9 milhão de devolução do IGH por irregularidades no gasto do dinheiro do contribuinte”, afirma. O valor apontado pelo grupo de trabalho equivale a cerca de uma parcela mensal paga à empresa terceirizada.

Ao contrário do que ocorreu quando o ex-prefeito Daniel Guerra decidiu terceirizar o serviço, concordamos que a municipalização das duas unidades devem ser discutidas, de forma conjunta, com o Executivo, o Sindiserv, a Comissão e o Conselho Municipal de Saúde”, salienta Meneguzzi.

Na próxima terça-feira (04), Alberto Meneguzzi voltará a se encontrar com Silvana Piroli, durante a primeira reunião ordinária da Comissão de Saúde deste ano legislativo. O encontro ocorre às 14h, na Sala de Reuniões do 2º andar da Câmara de Vereadores.

Meneguzzi pede mais transparência na terceirização da saúde pública de Caxias

janeiro 16, 2020

Parlamentar defende a fiscalização rigorosa dos contratos com IGH e InSaúde

Os contratos de terceirização das duas UPAs de Caxias do Sul foram os principais temas de um encontro entre o vereador Alberto Meneguzzi/PSB e a secretária municipal interina de Saúde, Marguit Weber Meneguzzi. A reunião ocorreu nesta quinta-feira (16), na sede do órgão. A finalidade também foi tratar de vários assuntos ligados à rede pública, como o atendimento nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Alberto Meneguzzi solicitou à secretária que os contratos com o Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que administra a UPA Zona Norte e com o Instituto nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde (InSaúde), que opera a nova UPA Central, sejam fiscalizados com rigor. Além disso, que o Executivo promova total transparência, principalmente, ao investimento que estas duas empresas fazem do recurso público pago pelo Município.

Desde a abertura da UPA Zona Norte, em 2017, tenho recebido e encaminhado ao Ministério Público, dezenas de denúncias de irregularidades praticadas pelo IGH, dos pontos de vista trabalhista e operacional. O governo anterior terceirizou também a UPA Central, que já abriu com deficiência de atendimento. Solicitei à secretária Marguit, que a nova gestão aperte a fiscalização no cumprimento dos contratos, pois envolvem recursos públicos. Só o IGH já recebeu mais de R$ 53 milhões do Município”, salienta.

Marguit informou que nesta quinta-feira (16) ocorreria uma reunião com representantes do Município e do InSaúde, a fim de formar a Comissão de Avaliação e Fiscalização do contrato. O grupo de trabalho também será responsável por identificar possíveis inconformidades no cumprimento do contrato e sugerir soluções.

Meneguzzi também solicitou a atenção da secretária com relação a problemas apontados nas UBSs. Entre eles, a demora na manutenção de equipamentos e a reposição e substituição de profissionais.

Ouça a notícia em podcast

 

Meneguzzi considera grave a denúncia de omissão de atendimento na UPA Central e pede providências urgentes ao Executivo

janeiro 15, 2020

Caso revela a precariedade operacional do novo serviço de emergência de Caxias do Sul

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB repercutiu a denúncia do presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), Alexandre Silva, veiculada por meio de rede social, onde uma criança com um ferimento na cabeça, teria tido o pronto atendimento negado pela direção do Instituto Nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde (InSaúde), que administra a UPA Central – antigo Postão 24 Horas. A justificativa foi de que não há serviço de pediatria no local e a referência desta modalidade é a UPA Zona Norte. No vídeo, Silva informa que a criança teve que ser atendida pela equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), cuja sede fica nos fundos do prédio da UPA. Não há imagens do atendimento, em cumprimento ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Conforme Meneguzzi, o fato revela a precariedade do atendimento da UPA Central, pela empresa terceirizada na gestão do prefeito cassado, Daniel Guerra. “A UPA foi aberta a toque de caixa, na véspera da sessão que julgou o impeachment do ex-prefeito, de forma politiqueira, sem a quantidade de médicos suficientes para atender a demanda. Além disso, sem a pediatra, que foi prometida para funcionar a partir do último dia 6 de janeiro. Entretanto, até agora, a terceirizada não cumpriu este compromisso. Enquanto a terceirizada recebe valor integral pelo atendimento incompleto, o cidadão é quem paga a conta do sofrimento pela falta do serviço e do dinheiro público empregado nesta empresa privada”, afirma. Ainda segundo o parlamentar, faltou mais divulgação sobre a ausência de serviço pediátrico na UPA Central.

De acordo com o Portal da Transparência, o InSaúde já recebeu R$ 1.701.937,09 do Município. Deste total, o valor de R$ 723.483,55, a título de custeio de implantação (investimento inicial), foi pago no dia 19 de novembro do ano passado. O valor foi repassado pelo Executivo, 30 dias antes da abertura da UPA, ocorrida em 19 de dezembro. Um outro empenho de R$ 978.453,54 foi quitado no dia 7 de janeiro deste ano. Conforme o contrato, assinado em 30 de outubro de 2019 e válido por um ano, o InSaúde vai receber, mensalmente, R$ 1.956.907,07. O total da contratação é de R$ 24.206.368,39.