A vida não pode ser “maquiada”

maio 26, 2020

Diante dos problemas da vida, não procure atalhos. Confie em Deus. Ele não lhe deixará faltar a sua ajuda. A vida, não pode ser “maquiada” quando as coisas vão mal. Aceite o que lhe acontece, não fuja das situações ruins. Quando há dificuldade, é preciso considerá-la, falar a respeito, nunca escondê-la.
Tenha certeza e fé: quando houver problemas, é preciso enfrentá-los, e o Senhor nos ajudará a resolvê-los.
Não devemos ter medo dos problemas. Com as dificuldades da vida, com as situações difíceis, com os problemas que às veze s parecem sem solução, devemos confiar. Jesus mesmo nos diz ” Sou eu, não tenhais medo.” Sempre, quando o mundo parecer ruir, sempre, o Senhor está por perto.
Não é boa atitude fazer maquilagem da vida. A vida, é como é, é a realidade. É como Deus quer que seja, ou como Deus permite que seja. O espírito do Senhor nos dará a solução para os problemas.
Jesus nos diz ” Não tenhais medo, sou eu. É o que ele diz sempre quando a dificuldade se apresenta. Nos momentos onde tudo é escuro, e não sabemos o que fazer, Jesus está presente e nos faz ir em frente, seguindo um caminho certo.
Não tenhai
s medo.
Tome a vida como vem e procure resolver os problemas. Busque o encontro com Jesus, que sempre estará ao seu lado, mesmo nos momentos mais escuros.
Eu acredito em dias melhores.
É preciso acreditar.

Papa na mensagem de Páscoa: deixar-se contagiar pela esperança de Cristo

abril 12, 2020

*Fonte: Vaticannews.va

O Pontífice presidiu à missa na Basílica Vaticana, na sobriedade que tem caracterizado as celebrações da Semana Santa. No lugar dos fiéis e das flores que enfeitam a Praça São Pedro neste dia, esteve a oração de milhões de pessoas conectadas através dos meios de comunicação. Devido à pandemia, o Santo Padre renunciou ao rito do “Resurrexit” durante a celebração, que recorda o estupor de Pedro ao ver o sepulcro vazio.

Contágio da esperança

Tradicionalmente, o Papa não pronuncia a homilia no domingo de Páscoa e transmite a sua mensagem ao conceder a bênção Urbi et Orbi (à cidade de Roma e ao mundo). Do altar da confissão, o texto de Francisco começa com o anúncio que hoje ecoa em todos os cantos da Terra: “Jesus Cristo ressuscitou; ressuscitou verdadeiramente!”.

“Nesta noite, ressoou a voz da Igreja: ‘Cristo, minha esperança, ressuscitou!’. É um ‘contágio’ diferente, que se transmite de coração a coração, porque todo o coração humano aguarda esta Boa Nova. É o contágio da esperança.”

Não se trata de uma fórmula mágica, explicou, que faz desaparecer os problemas, mas é a vitória do amor sobre a raiz do mal, que  transforma o mal em bem: “marca exclusiva do poder de Deus”.

As chagas da humanidade

O Ressuscitado é o Crucificado. No seu corpo glorioso, estão indeléveis as feridas que se tornaram frestas de esperança. O Papa então citou as feridas abertas hoje da humanidade, começando pelo contagiados com o coronavírus, de modo especial os doentes, os que morreram e os familiares.

“Para muitos, é uma Páscoa de solidão, vivida entre lutos e tantos incômodos que a pandemia está causando, desde os sofrimentos físicos até aos problemas econômicos.”

Esta epidemia não nos privou apenas dos afetos, afirmou Francisco, mas também da possibilidade de recorrer pessoalmente à consolação que brota dos Sacramentos, especialmente da Eucaristia e da Reconciliação. “Mas o Senhor não nos deixa sós!”

O Papa mais uma vez agradeceu aos médicos e enfermeiros, e a todos os profissionais que garantem os serviços essenciais necessários à convivência civil.

Redução de sanções e cancelamento da dívida

O seu pensamento se dirigiu também a quem está preocupado com o futuro e com a falta de emprego, encorajando os políticos a trabalharem em prol do bem comum.

“Este não é tempo para a indiferença, porque o mundo inteiro está sofrendo e deve sentir-se unido ao enfrentar a pandemia”, disse ainda o Pontífice, pedindo que não faltem os bens de primeira necessidade aos que vivem nas periferias, aos refugiados e aos desabrigados.

A propósito, pediu a redução das sanções internacionais que impedem a alguns países de proporcionar apoio adequado aos seus cidadãos e inclusive o cancelamento da dívida que pesa sobre os orçamentos dos mais pobres.

“Este não é tempo para egoísmos, pois o desafio que enfrentamos nos une a todos e não faz distinção de pessoas.”

Fim das guerras e conflitos

Olhando para as regiões que neste momento mais sofrem, o Papa falou da Europa, uma das mais afetadas pelo coronavírus. O continente se recuperou depois da II Guerra Mundial graças à solidariedade, e que seja este o sentimento que prevaleça agora, e o não o ressurgimento de antigas rivalidades.

Francisco voltou a pedir a adesão ao apelo a um cessar-fogo global e imediato de todos os conflitos e repetiu a exortação feita na vigília pascal: “Este não é tempo para continuar a fabricar e comercializar armas, gastando somas enormes que deveriam ser usadas para cuidar das pessoas e salvar vidas.”

O Pontífice mencionou as guerras ainda em andamento na Síria, no Iêmen, no Iraque, bem como no Líbano. Falou também de Israel e da Palestina, da Ucrânia, da crise dos refugiados na Líbia e na fronteira entre a Grécia (“não quero esquecer a ilha de Lesbos”) e a Turquia e de países da Ásia e dos ataques terroristas na África, em especial da crise humanitária que a região de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, está sofrendo. Na América Latina, citou a Venezuela, exortando a soluções concretas e imediatas.

Antes de conceder a bênção Urbi et Orbi, o Papa Francisco concluiu com mais um convite à coragem, a olhar além, para que a humanidade dissipe as trevas que pairam sobre si:

“Palavras como indiferença, egoísmo, divisão, esquecimento não são as que queremos ouvir neste tempo. Mais, queremos bani-las de todos os tempos! Essas palavras prevalecem quando em nós vencem o medo e a morte, isto é, quando não deixamos o Senhor Jesus vencer no nosso coração e na nossa vida. Ele, que já derrotou a morte abrindo-nos a senda da salvação eterna, dissipe as trevas da nossa pobre humanidade e introduza-nos no seu dia glorioso, que não conhece ocaso.”

O Vídeo do Papa: Francisco pede ações e oração pela paz

novembro 11, 2018

No mês de novembro de 2018, o Papa Francisco convida a rezarmos e termos ações de paz em nosso cotidiano

Paz. Três letras que alguns utilizam normalmente mas há outros que há anos não a experimentam. Porque em muitos lugares do mundo a paz não é uma realidade, é somente um desejo para milhares de pessoas que sofrem pela sua ausência. Pensemos mais do que nessas três letras, mas no seu significado. Rezemos e trabalhemos para alcançar a verdadeira paz.

O Vídeo do Papa: Francisco pede orações contra as divisões na Igreja

outubro 9, 2018

No mês de outubro de 2018, o Papa Francisco nos convida a rezarmos o Rosário de Nossa Senhora e a oração de São Miguel Arcanjo, para repelir o diabo, que é autor da divisão na Igreja e também na sociedade. 

O diabo é um sedutor. Por isso, sem nos darmos conta, deixamo-lo entrar nas nossas vidas. E também na vida da Igreja. Para lutar contra a força do mal e proteger a Igreja, o Papa pede-nos neste mês de outubro que rezemos o Rosário à Virgem Maria e a oração ao Arcanjo São Miguel. Unimo-nos todos a este pedido? Oração ao Arcanjo São Miguel São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Que Deus manifeste sobre ele o seu poder, esta é a nossa humilde súplica. E vós, Príncipe da Milícia Celeste, com o poder que Deus vos conferiu, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Ámen. Oração “À vossa proteção” À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita!

Papa Francisco pede orações pela proteção das famílias

agosto 2, 2018

Vídeo mensal do Pontífice quer chamar atenção das forças políticas e econômicas

O Papa Francisco propõe ao Apostolado da Oração, neste mês de agosto, uma vídeo-mensagem intitulada: “As famílias, um tesouro”.

Por isso, o Pontífice propõe a seguinte intenção Universal para este mês de agosto: “Para que as grandes escolhas econômicas e políticas protejam as famílias como um tesouro da humanidade”.

Não é suficiente falar da sua importância; mas é preciso propor medidas concretas e desenvolver seu papel na sociedade, mediante uma boa política familiar.

Confere a vídeo-mensagem

Estamos todos doentes

julho 8, 2018

“Há pessoas que tem o sol dentro de si. Não se abalam com as dificuldades e fazem questão de iluminar os outros.”

Li esta frase no meio de tantas outras que leio diariamente postadas em alguma rede social. Pode parecer simples demais para uma reflexão mais profunda, mas ela tem o seu fundo de verdade.

Ler mais

A capacidade de iluminar os outros

junho 9, 2018

“Há pessoas que tem o sol dentro de si. Não se abalam com as dificuldades e fazem questão de iluminar os outros.”

Li esta frase no meio de tantas outras que leio diariamente postadas em alguma rede social. Pode parecer simples demais para uma reflexão mais profunda, mas ela tem o seu fundo de verdade.

Existem pessoas que exalam otimismo e é bom estar ao lado delas. Por um outro lado, existem aquelas que estão sempre acompanhadas de uma “nuvenzinha” de tempestade. Deste tipo de gente, só se pode esperar coisas ruins: fofocas fuxicos, intrigas, inveja e atitudes que não edificam.

O Papa Francisco, em várias das suas homilias, tem alertado para o perigo de pessoas fofoqueiras, fuxiqueiras e negativas. E ele toca na ferida, vai direto ao ponto quando diz que pessoas que agem assim são semelhantes a terroristas, que jogam uma bomba, fazem um enorme estrago e desaparecem. Quem fala mal do próximo é um hipócrita, diz o Papa.

Aos que diminuem os outros ao invés de edificar, aos que eu chamo de “nuvenzinhas de tempestade”, o recado é duro: “Aqueles que vivem julgando o próximo, falando mal do outro, são hipócritas, porque não têm a força e a coragem de olhar  para os próprios defeitos.”

Não se trata de simplesmente odiar gente assim, ou pagar na mesma moeda. Trata-se apenas de se proteger, de ignorar, de ser mais forte do que o “negativo”

Com isso, aprender a valorizar mais as que possuem o sol dentro de si. As vezes, estas “pedras preciosas”, estão mais próximas do que a gente imagina, e querem nos ajudar.

Em épocas de relações superficiais e robotizadas, uma “nuvenzinha de tempestade” tem ganhado mais atenção do que um simples raio de sol.

É por isso que estamos quase todos os doentes!

O vídeo do Papa: junho de 2018 – que as redes sociais favoreçam a solidariedade

junho 5, 2018

 

A internet e as redes sociais nos abrem muitas possibilidades. Mas é necessário usá-las bem e para o bem. Não para nos isolar, mas para nos comunicarmos melhor. Não para espalhar mentiras, mas para contar verdades.

“A Internet é um dom de Deus e também uma grande responsabilidade. A comunicação, seus lugares, seus instrumentos trouxeram consigo uma ampliação dos horizontes, um crescimento, para tantas pessoas. Aproveitemos as possibilidades de encontro e de solidariedade que as redes sociais oferecem. Que a Internet não seja um lugar de alienação. Que seja um lugar concreto, um espaço rico em humanidade. Peçamos juntos para que as redes sociais não anulem a própria personalidade, mas que favoreçam a solidariedade e o respeito pelo outro na sua diferença.”

Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações 2018

abril 22, 2018

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
PARA O 55º DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES
(22 de abril de 2018 – IV Domingo da Páscoa)

Tema: «Escutar, discernir, viver a chamada do Senhor»

Queridos irmãos e irmãs!

No próximo mês de outubro, vai realizar-se a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que será dedicada aos jovens, particularmente à relação entre jovens, fé e vocação. Nessa ocasião, teremos oportunidade de aprofundar como, no centro da nossa vida, está a chamada à alegria que Deus nos dirige, constituindo isso mesmo «o projeto de Deus para os homens e mulheres de todos os tempos» (Sínodo dos Bispos – XV Assembleia Geral Ordinária, Os jovens, a fé e o discernimento vocacional, Introdução).

Trata-se duma boa notícia, cujo anúncio volta a ressoar com vigor no 55.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações: não estamos submersos no acaso, nem à mercê duma série de eventos caóticos; pelo contrário, a nossa vida e a nossa presença no mundo são fruto duma vocação divina.

Ler mais