Alberto Meneguzzi lamenta a morte do empresário Raul Fedrizzi

setembro 20, 2020

Morreu neste domingo ( 20),  o ex-presidente do Sindilojas Caxias do Sul, Raul Fedrizzi (85). O empresário era natural de Caxias do Sul e deixou sua marca no desenvolvimento econômico do Município, com a fundação das Lojas Fedrizzi, em 1946, estabelecimento localizado no coração da cidade.   O vereador Alberto Meneguzzi/PSB destaca que a  trajetória de Raul Fedrizzi foi marcada pela forte atuação em defesa de inovações no comércio.

O empresário foi  presidente do Sindilojas e, em 1991, inaugurou a nova sede da entidade, o Edifício Sindilojas, na esquina das ruas Sinimbu e Alfredo Chaves, no Palácio do Comércio. Também presidiu o Recreio da Juventude entre 1981 e 1983, além de ter sido um dos fundadores da CDL Caxias ( Câmara dos Dirigentes Lojistas) em 1965.

Raul Fedrizzi atuou fortemente para buscar alternativas para fortalecer o segmento do comércio e pelo reconhecimento do varejo no contexto econômico em nossa cidade.  Foi agraciado com o Troféu O Mercador, na categoria Comércio e atuou também como presidente do Conselho Superior do Sindilojas Caxias.

Meneguzzi lamenta a morte do padre Fábio Piazza

maio 16, 2019

Vereador considera que o sacerdote era exemplo de humanidade e serviço pelo bem comum

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB)  lamentou o falecimento do padre Fábio Thomás Piazza, aos 100 anos, ocorrido na tarde desta quinta-feira, 16 de maio. O sacerdote, que atuou em diversas paróquias da Diocese de Caxias do Sul e dedicou quase duas décadas ao serviço no Santuário de Caravaggio, em Farroupilha, completou um século de vida em dezembro de 2018.

De acordo com Meneguzzi, padre Fábio foi exemplo de humanidade e serviço pelo bem comum. Ele era conhecido pela generosidade, pelo dom da confissão e pela capacidade de servir ao próximo. O sacerdote estava hospitalizado há cerca de uma semana no Hospital Saúde, em Caxias do Sul. “Uma perda muito grande para a Igreja e também para a sociedade. Conheci o padre Fábio através do sobrinho dele, padre Nivaldo Piazza, que foi pároco de Lourdes aqui em Caxias, onde iniciei minha missão”, explica.

Filho de Giulio Piazza e Julia Radaelli, padre Fábio Piazza nasceu em 5 de dezembro, no distrito de Nova Milano, em Farroupilha. Seu avô materno é Tomaso Benedetto Radaelli, que juntamente com sua avó, Maria Pirovena, foi um dos primeiros imigrantes italianos a chegar a Farroupilha, e tornar o local, posteriormente, o berço da imigração italiana no Estado do Rio Grande do Sul.

Sua alfabetização ocorreu no hoje chamado Colégio Santa Cruz, ainda em Nova Milano, que na época era de responsabilidade das irmãs da congregação de São Carlos. Em 1937, com 18 anos, Padre Fábio ingressou no Seminário Central São Leopoldo, onde mais tarde, na década de 40, cursou Teologia e Filosofia. Antes disso, entre 1938 e 1939, padre Fábio também estudou no Seminário Nossa Senhora Aparecida, em Caxias do Sul.

Vida sacerdotal

A vida sacerdotal do presbítero teve início em 8 de dezembro de 1950, quando foi ordenado por Dom José Barea. Sua primeira missa solene ocorreu na Igreja Matriz de Nova Milano dois dias após, em 12 de dezembro. Mais tarde, em 1989, voltou a Nova Milano, e atuou como pároco da paróquia de Santa Cruz durante 22 anos.

Na cidade de Farroupilha, ao longo de sua vida, padre Fábio passou também pela paróquia de Caravaggio por três períodos diferentes: em 1953, como vigário, onde permaneceu por seis meses; de 1978 a 1980, como vigário auxiliar; em 1984, durante cinco anos, como administrador; e desde 2011 até os dias atuais trabalha como padre auxiliar no Santuário. Na cidade, em 1954, também foi vigário auxiliar da paróquia Sagrado Coração de Jesus, onde permaneceu por quase oito anos.

Além de sua terra natal, o sacerdote também trabalhou, ao longo de sua trajetória sacerdotal, por outras cidades da região, como Caxias do Sul (nos anos de 1951 e 1952, e 1983), Cambará do Sul (em 1952), Coronel Pilar (em 1953), Garibaldi (em Marcorama, no ano de 1962) e Cotiporã (em 1964). Além disso, também foi pároco de Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul, por duas vezes, em 1973 e depois em 1983.