Servidores que honram o serviço público? Eles existem

janeiro 4, 2021
Essa equipe da foto honrou serviço público ( Aline, Fernando e Romila).
Uma honra ter trabalhado com eles no gabinete.
Hoje, nos despedimos momentaneamente.
Já recolhemos as nossas coisas e o gabinete que ocupávamos será de outro vereador. Sempre falei, em todas as nossas reuniões, que “estávamos ali” representando pessoas. Um mandato eletivo tem apenas um dono: o povo.
Saio de cabeça erguida e com a consciência de que fiz o melhor que pude nestes quatro anos de mandato.
Democracia é isso e eleição é importante para que possamos renovar, mudar, eleger quem a gente achar que deve eleger. Em 2016, me elegi raspando. Desta vez, não me elegi. Outros se elegeram e por certo, saberão representar seus eleitores.
O nosso gabinete não ficará vazio. A partir do dia 1º de janeiro, será ocupado pelo Senhor Gilfredo De Camillis, uma liderança comunitária séria, um senhor de 71 anos, que realiza o seu sonho de também ser vereador. Já havia sido candidato umas seis vezes e não tinha conseguido se eleger. Aliás, em 2017, o Deputado Estadual Ellton Webber me pediu que eu lhe indicasse alguém para representar o seu mandato em Caxias do Sul, eu indiquei justamente o senhor De Camillis.
Hoje, foi um dia de despedida. Conversei com meus assessores e agradeci a cada um. Nos abraçamos, rimos, choramos e agora seguimos cada qual o nosso rumo profissional e pessoal que escolhermos. Sou grato a eles por terem honrado o mandato que também era deles e por jamais, em momento algum, terem deixado quem nos procurou, seja por qual motivo fosse, sem respostas. Eles deram o melhor de si, também dei o meu melhor, a vida segue, outros assumem e viva a democracia.
Obrigado Aline, Fernando e Romila.
Jamais vou esquecer vocês.
Um agradecimento especial também ao jornalista Felipe Padilha que trabalhou comigo durante dois anos e um beijão no coração da Rosmari Bortolini ( a rosca), que esteve comigo por alguns meses e nos alegrou com o seu incrível senso de humor.
Um agradecimento especial também aos jornalistas Tales Armiliato ( que foi meu diretor de comunicação quando eu fui presidente em 2018) e ao jornalista Mauro Camargo, que eu indiquei em 2020 para ser o coordenador da TV Câmara.
Que Deus nos abençoe!
Ps: Dei a eles uma caixinha de Bis, vai que um dia a democracia, e as urnas, possibilitem um novo mandato…

Legislativo inaugura foto de Meneguzzi na galeria dos ex-presidentes

dezembro 17, 2020

O parlamentar presidiu a Câmara de Vereadores em 2018

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB, entrou, na manhã desta quinta-feira (17), para a galeria de ex-presidentes do Legislativo caxiense. O parlamentar presidiu a Câmara em 2018, no segundo ano de mandato. Ele participou de todas as Mesas Diretoras da XVII Legislatura.

O ato ocorreu na Sala de Reuniões da Presidência, e contou com a presença de poucas pessoas devido às restrições referentes à pandemia do coronavírus. Entre elas, a esposa, Margô Segat, irmãos, cunhados, sobrinhos e alguns vereadores e servidores do Legislativo.

Meneguzzi saudou a esposa Margô e a família. “Obrigado por chorarem junto comigo, na derrota, agora, mas por sorrirem e vibrarem comigo nas vitórias. Principalmente, por serem pessoas que me acolhem independentemente da função que eu ocupe”, concluiu.

Depois do descerramento da foto, o atual presidente da Câmara, vereador Ricardo Daneluz/PDT, que havia sido vice-presidente em 2018, agradeceu a Meneguzzi pela contribuição social dele como parlamentar. Os vereadores Felipe Gremelmaier/MDB, Elisandro Fiuza/Republicanos, Renato Oliveira/PCdoB e Gladis Frizzo/MDB também se manifestaram, ressaltando a luta do vereador na área da saúde.

Alberto Meneguzzi foi vice-presidente da Casa, em 2017, no seu primeiro mandato como vereador. Em 2018, foi presidente do Legislativo. Em 2019 e 2020, também fez parte da Mesa Diretora, atuando como 2º secretário nos dois períodos.

Ainda no final da manhã, se reuniu com alguns funcionários da Câmara de Vereadores aos quais fez agradecimentos.

Meneguzzi critica novo projeto que concede honorários de sucumbência aos procuradores do Município

dezembro 10, 2020

Parlamentar se manifestou contra a proposta do repasse da verba já rejeitada pelo Legislativo

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB, se pronunciou, na sessão desta quinta-feira (10), sobre o projeto do Executivo, protocolado esta semana na Câmara de Vereadores, que cria a Advocacia-Geral do Município. A matéria unificar a Procuradoria-Geral e a Controladoria-Geral.


Meneguzzi ressaltou que dois itens do projeto irão onerar os cofres públicos. O primeiro deles é o Art. 26º, que estende as prerrogativas dos procuradores da Prefeitura aos assessores jurídicos da Câmara de Vereadores. O parlamentar lembrou que o plenário da Casa, recentemente, aprovou o projeto de modernização administrativa, a fim de reduzir o custo. ”
É uma ingerência do Executivo no trabalho do Legislativo, criando uma despesa a mais para Câmara, colocando o assessor jurídico no mesmo patamar dos procuradores. Nós aprovamos aqui um projeto extinguindo verba de representação para o chefe de comunicação e para o diretor-geral. Também fizemos uma redução nos auxiliares de bancada. Frente a esta série de reformas, agora o prefeito manda um projeto em que aumenta o custo da Casa”, salientou.

O vereador também criticou o Art. 50º, que regulamenta o pagamento dos chamados “honorários de sucumbência” aos procuradores do Município. A verba é oriunda dos processos ganhos pelo Município, na Justiça, em que os réus pagam um percentual aos advogados. Meneguzzi ressaltou que a matéria protocolada pela gestão anterior, foi rejeitada pelo plenário, no ano passado. “Uma afronta a esta Casa. Trabalhamos durante toda uma legislatura para tentar diminuir o tamanho da Câmara. Não é nada contra o trabalho dos procuradores, que são trabalhadores valorosos, pessoas competentes, têm competência e formação para isso, mas não podemos voltar a discutir sobre os horários sucumbenciais”, ressaltou.

Projeto de Meneguzzi pretende melhorar a estrutura das provas práticas dos CFCs

dezembro 9, 2020

A intenção é proporcionar mais benefícios para os alunos

O projeto de lei de autoria do vereador Alberto Meneguzzi/PSB, que tem o objetivo de regulamentar melhores condições em dias de prova para os candidatos à Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vai ser votado na sessão desta quinta-feira (10). De acordo com o parlamentar, alguns dos pontos de provas práticas estão próximos a áreas verdes ou parques da cidade, sem a disposição de uma área coberta para proteger os alunos das intempéries climáticas.

O valor da CNH categoria B, em 2020, gira em torno de R$ 2.389,00. Além de pagar um valor alto para desenvolver as aulas teóricas, práticas e de simulador, os cidadãos são acometidos pelo nervosismo do momento da prova e acabam por ficar sem qualquer assistência por parte dos Centro de Formação de Condutores (CFCs).

É necessário que tenha uma área coberta que possa proteger os participantes da chuva e também do sol em dias extremamente quentes. Também é importante a disponibilidade de assentos, sanitários e acesso à água,” conclui.

Segundo Meneguzzi, o cidadão investe um valor alto pelo serviço. Dessa forma, é justo que os participantes possam realizar a prova em condições adequadas que podem influenciar no próprio desempenho.

Meneguzzi encaminha denúncia de suposta irregularidade em processo de licença-prêmio ao MP e TCE

novembro 19, 2020

Parlamentar solicitou abertura de sindicância, mas o pedido foi negado pela presidência do Legislativo

O segundo-secretário da Mesa Diretora do Legislativo de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, se manifestou, na sessão desta quinta-feira (19), sobre suposta irregularidade em um processo administrativo de concessão de Licença-Prêmio para um servidor do quadro efetivo da Casa. O parlamentar explicou que, na reunião da Mesa, no dia 22 de setembro deste ano, o presidente, Ricardo Daneluz Neto/PDT, informou que havia indeferido vários pedidos, tendo em vista a crise financeira gerada pela pandemia do Coronavírus. Entre elas, estava o processo onde foi constatada, em documento do dia 27 de dezembro de 2019, a assinatura do já então-prefeito em exercício, Flavio Cassina/PTB, como se ainda fosse o presidente da Câmara. Cassina assumiu no Executivo, no dia 22 de dezembro, tendo em vista o impeachment do ex-prefeito Daniel Guerra. No dia em questão, a presidente do Legislativo era a vereadora Paula Ioris/PSDB.

Logo após tomar conhecimento dos fatos, Alberto Meneguzzi encaminhou ofício ao presidente Daneluz, solicitando a abertura de sindicância para apurar a suposta irregularidade. Entretanto, o pedido foi indeferido e arquivado. Devido à decisão, o vereador decidiu que encaminhou denúncia para a Promotoria Pública.

Mas para preservar, inclusive, a Casa e a Mesa Diretora, estou levando esse assunto para Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado. Não podemos ter documentos na Casa, assinados por um presidente que nem estava aqui, que já era prefeito, autorizando a concessão de licença-prêmio para servidor que deveria fiscalizar, porque também é da área interna”, salientou.

Meneguzzi voltou a reiterar a gravidade do caso. “O prefeito Cassina assinou com o presidente da Câmara e isso é muito sério. Isso seria assunto para a Comissão de Ética e para CPI. É assunto sério, que não pode morrer por causa de período eleitoral ou porque alguns estão comemorando a eleição ou pensando no segundo turno”, enfatizou.

Alberto Meneguzzi pede urgência para a votação da Lei Antinepotismo até o final de 2020

novembro 19, 2020

A matéria tramita há nove meses no Legislativo e poderá ser arquivada tendo em vista o final da legislatura

O principal articulador e um dos 22 autores do projeto da Lei Antinepotismo, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, voltou a pedir urgência na votação da matéria. Na sessão desta quinta-feira (19), ele ressaltou a morosidade na tramitação do projeto, no aguardo de pareceres do Executivo e Legislativo desde o início de 2020. O objetivo é proibir a nomeação de parentes até o terceiro grau, como cargos em comissão (CCS) na Prefeitura e Câmara de Vereadores.

Meneguzzi cobrou mais agilidade para que a votação do projeto saia antes do final da legislatura. “Se alguém tinha medo que afetasse o secretário, algum assessor de vereador, de comissão, agora é hora de colocar o Projeto Antinepotismo na pauta. Chega ser vergonhoso que esse projeto fique sendo encaminhado de comissão para comissão, buscando pareceres que já foram dados,” salientou.

O parlamentar ressaltou ainda que se o projeto não for votado até o final deste ano, todo o processo terá que ser realizado pela terceira vez. “Nós temos a chance de dar um passo definitivo, de ações positivas que foram feitas na Câmara nesses últimos anos. O enxugamento da máquina pública, no congelamento de salários, na diminuição de cargos, na modernização do Legislativo, no congelamento do orçamento. O projeto é um passo maior e importante, então peço que seja feito todo o esforço possível para que ele seja votado,” concluiu.

Meneguzzi critica preço abusivo dos combustíveis e problemas de atendimento nos bancos

julho 28, 2020

Parlamentar lamenta aumento da gasolina e sistema de relacionamento da rede bancária com os clientes

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se pronunciou, na sessão desta terça-feira (28), sobre assuntos que ele considera pontuais em período de pandemia. Ele começou falando sobre a majoração do preço da gasolina, em Caxias do Sul. Segundo o parlamentar, há muita desculpa para a majoração do preço e falta concorrência. O parlamentar ressaltou que o preço está em cerca de R$ 4,50 e não há muita diferença entre os postos. “Deveria ter uma ação mais específica, inclusive, do Ministério Público. É um absurdo que a gente continue com os mesmos problemas em relação ao preço aqui em Caxias e, nas cidades da região, um preço mais em conta, enquanto a distância das refinarias é quase a mesma. O consumidor é vítima novamente dessa questão”, salientou.

Meneguzzi também lamentou a falta de estrutura dos bancos para o atendimento dos clientes nesta pandemia. Conforme ele, faltam funcionários e eficiência nos protocolos adotados pela rede bancária. O vereador destacou que há muita fila, apesar do agendamento. Problemas que não se justificam devido ao lucro destas instituições. “Os bancos têm um lucro estratosférico e não conseguem organizar um atendimento decente para a população. Parece que um idoso não é bem-vindo numa agência, pois muitos não sabem mexer no aplicativo. Façam um protocolo decente para seus clientes”, ressaltou.

O parlamentar também pediu explicações sobre reclamações de beneficiários da Bolsa Emergencial, do governo federal, cujo saldo teria sumido do aplicativo Caixa Tem. “Além do auxílio emergencial chegar nas mãos de quem não precisa e quando chega para quem precisa, o dinheiro some. Não se sabe se é ação de golpistas e os bancos, às vezes, não dão a devida explicação e as pessoas ficam sem explicação”, enfatizou.

Ainda de acordo com Meneguzzi, o Executivo precisa implementar ações mais efetivas contra o desemprego gerado pelo fechamento de muitas empresas nesta pandemia. O vereador citou ações como a criação da Agência Municipal de Emprego e a reativação da Comissão Tripartite de Emprego. Além disso, pediu melhor atendimento da Sala do Empreendedor. “Algumas pessoas procuram agora orientações, estão ligando e não estão obtendo o retorno. A Secretaria de Desenvolvimento não consegue auxiliar os empreendedores que estão quebrando, até agora não mostrou nada nesse período de crise”, afirmou.

Ouça a notícia em podcast

 

Mesa Diretora acolhe proposta de Meneguzzi sobre extinção de cargos

junho 18, 2020

Projeto da reforma administrativa foi protocolado no Legislativo

A Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, protocolou nesta quinta-feira (18), um projeto de lei que visa extinguir 13 cargos efetivos e coloca em extinção outros 15. A proposta também é assinada pelo segundo secretário da Mesa, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, que já havia apresentado a matéria, em 2018, quando foi presidente do Legislativo.

Meneguzzi salienta que a proposição não irá prejudicar os servidores públicos. “Nenhum funcionário da Casa vai perder o emprego, salários não serão diminuídos, nem o plano de carreira será prejudicado. Este é um primeiro passo para enxugar e modernizar a Câmara”, ressalta.

A reforma administrativa deverá representar a longo prazo, uma economia de quase R$ 2,8 milhões por ano. Uma outra medida proposta é a extinção de verbas de representação dos cargos de Chefe de Comunicação e Diretor-Geral, além da readequação no quadro de cargos em comissão (CCs), com perspectiva de economizar mais R$ 900 mil por ano. 

”O meu salário e a estrutura do meu gabinete e do Legislativo é dinheiro público, que sai do meu bolso e de todos os cidadãos. Por essa razão, precisamos zelar e economizar cada vez mais, otimizando serviços”, conclui.

Ouça o poadcast da notícia:

 

Meneguzzi alerta para a necessidade de apoio ao Hospital Pompéia

abril 24, 2020

Parlamentar propõe reunião da Comissão de Saúde com a direção da entidade

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (CSMA) do Legislativo de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, se manifestou na sessão desta quinta-feira (23), sobre a atual situação financeira do Hospital Pompéia. Ele pediu atenção e apoio das autoridades da área de saúde pública para com as dificuldades financeiras da instituição hospitalar em plena crise do Coronavírus. O parlamentar encaminhará um documento à Comissão de Saúde, sugerindo uma reunião com o diretor-superintendente do Hospital Pompéia, Francisco Ferrer.

Segundo Meneguzzi, os hospitais disponibilizaram uma logística para atender os casos suspeitos e confirmados de infecção pelo Covid-19. Entre as medidas, está a redução de cirurgias eletivas. Com menos receita e com um custo fixo que não foi alterado, o Pompéia teve uma perda de receita de quase 30%.

A instituição, em apenas um mês, perdeu R$ 2,3 milhões de receita”, ressaltou.

Ainda de acordo com Alberto Meneguzzi, a situação do Hospital Pompéia é grave e as autoridades precisam apoiar a instituição. ”Mesmo com a pandemia, a instituição continua atendendo 24 horas pacientes de de outras doenças. São mais de 100 anos de dedicação à comunidade de Caxias e região serrana. Com toda essa história, é necessário que o governo faça a sua parte, disponibilizando mais recursos para o Pompéia”, afirmou.

Meneguzzi vota contra veto do Executivo à reserva de vagas de estacionamento para gestantes

abril 9, 2020

Projeto vetado pelo Executivo também pode beneficiar mães com filhos de até dois anos de idade

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB reafirmou, na sessão extraordinária desta quinta-feira (09), o apoio à proposta aprovada pela Casa legislativa, em fevereiro deste ano, que cria a reserva de vagas para gestantes e mães acompanhadas de filho com até dois anos, em estabelecimentos públicos e privados, além do estacionamento rotativo pago de Caxias do Sul. Ele votou contra o veto do Executivo ao projeto de autoria do novo colega de bancada, Rodrigo Beltrão. O governo municipal alegou vício de iniciativa, ou seja, que a matéria é de competência do prefeito. Além disso, que a norma geraria despesa para o Executivo, o que é vedado aos vereadores legislarem.

Meneguzzi lembrou que a matéria teve o parecer favorável das comissões de Direitos Humanos (DH), e de Desenvolvimento Urbano, Transporte e Habitação (CDUTH) do Legislativo. “Embora o veto justifique questões jurídicas, eu me apego aos pareceres das comissões que nos representam, cujos integrantes têm legitimidade para direcionar o nosso voto. Acredito que o projeto tem todo o mérito e também foi declarado como constitucional pela comissão legislativa que analisou a matéria sob este ponto de vista”, afirmou.

O veto foi derrubado por unanimidade. O projeto retorna ao Executivo para promulgação em até 48 horas. Em caso de silêncio pelo prefeito, o presidente da Câmara de Vereadores terá o mesmo prazo para realizar o ato de promulgação.