NOTA OFICIAL DO PSB: Greve dos caminhoneiros e a insatisfação geral com as políticas antipopulares de Temer

maio 28, 2018

 

GREVE DOS CAMINHONEIROS E A INSATISFAÇÃO GERAL, COM AS POLÍTICAS ANTIPOPULARES DE TEMER

A greve dos caminhoneiros repercute um amplo mal-estar disseminado junto à população brasileira que, nesse momento, tem por fundamento particular a desastrosa política de preços de combustíveis, praticada pela atual direção da Petrobras, que serve aos mercados, seguindo a onda geral de subordinação adotada pelo Governo.

É clara a percepção da sociedade brasileira– e totalmente prática, no presente caso — de que as políticas neoliberais e ultraconservadoras do governo Temer são feitas contra os interesses populares, e em benefício dos ricos – especialmente aqueles que têm rendimentos que podem acompanhar os aumentos do dólar, com relação à moeda nacional.

É por isso que não há oposição à greve, ocorrendo ao contrário certa simpatia por ela, apesar de todas as dificuldades que impõe ao dia dia de todos. A percepção da população está correta e se trata, portanto, de apoiar a greve, como ato de resistência, contra o curso antipopular e antinacional das políticas de Temer.

Não se trata apenas, contudo, do preço dos combustíveis, mas de colocar este governo, ou qualquer outro, a trabalhar pelos interesses da maioria da população, o que não se faz com o entreguismo atual.

Nesse contexto, não cabe às forças políticas do campo democrático-popular outra alternativa, que não a de se solidarizar com os caminhoneiros, articulando todos os esforços necessários a fazer oposição às políticas em curso, com particular destaque àquelas destinadas à desnacionalização de ativos estratégicos pertencentes à população brasileira, como Petrobras e Eletrobras, cujas consequências serão nefastas para os debaixo, como demonstram de modo inequívoco os aumentos de gás de cozinha, combustíveis em geral e energia elétrica.

Até quando resistir? O suficiente para que este governo ou qualquer outro compreenda que deve estar a serviço do País, e não de interesses que lhe são estranhos e hostis. O Partido Socialista Brasileiro – PSB não se furtará a exercer firme oposição ao Governo, como já vem fazendo, até que os interesses populares finalmente se imponham.

Brasília-DF, 27 de Maio de 2018.

CARLOS SIQUEIRA

Presidente Nacional do Partido Socialista Brasileiro – PSB

Ranqueamento de Meneguzzi revela falta de combustível em todos os pontos da cidade

maio 24, 2018

Revendas caxienses estão com os estoques vazios em diversos bairros e localidades

O gabinete do vereador Alberto Meneguzzi (PSB) divulgou, na tarde desta quinta-feira, 24 de maio, novo levantamento sobre os preços praticados pelas revendas dos combustíveis de Caxias do Sul. O ranqueamento revelou que, dos 22 postos que atenderam à equipe, todos estão com os estoques de gasolina comum e aditivada zerados. A pesquisa foi realizada em estabelecimentos de diversos pontos da cidade.

Apenas um dos postos pesquisados ainda dispõe de etanol para venda e outros oito têm diesel em estoque. Entretanto o valor do combustível sofreu majoração, se levado em conta o ranking divulgado na sexta-feira, 18 de maio. A situação se deu em virtude da paralisação nacional dos caminhoneiros, iniciada na segunda-feira, 21 e que já se aproxima do quinto dia.

No entanto, os valores anunciados pelas revendas até a manhã desta quinta-feira, 24, mostravam aumento superior a R$ 0,15 em diversos postos caxienses, com relação ao dia 18 de maio. O litro da gasolina comum estava custando R$ 4,899. A falta de combustíveis se agravou nas últimas horas, quando milhares de motoristas fizeram filas para o abastecimento de seus veículos em diversos pontos da cidade. Relatos dão conta da espera por mais de 1h30 no bairro Cruzeiro e 45 minutos no Santa Catarina.

De acordo com Meneguzzi, a situação é reflexo da política de preços da Petrobras e da falta de fiscalização do poder público junto aos postos. “De qualquer forma, Caxias sempre tem um preço mais caro se comparado às cidades da região Metropolitana de Porto Alegre. Nós também formamos uma região Metropolitana na Serra, e precisamos de fiscalização do Procon e de medidas político-administrativas”, argumenta.

Em junho de 2017, o vereador protocolou o Projeto de Lei Complementar 16/2017, que obrigava os postos caxienses a divulgarem, de forma visível, com 36h de antecedência os percentuais e valores a serem reajustados ou reduzidos. No entanto, a proposta foi rejeitada pela maioria dos vereadores do Legislativo caxiense. Com a negativa, a partir 08 de dezembro de 2017, o gabinete passou a divulgar semanalmente a variação de preços das bombas. Meneguzzi também pediu, em diversas ocasiões, mais fiscalização por parte do Procon às revendas.

 

Ranking dos Postos 24-05-18 (1)