Denúncias de aglomeração em Caxias deverão ser feitas no 153

abril 1, 2021

A partir da noite deste sábado, os telefones funcionais da prefeitura estarão temporariamente desativados. Por essa razão, das 18h de sábado (03/04) até 8h de segunda-feira (05/04), denúncias de aglomerações deverão ser feitas no telefone 153, da Guarda Municipal, que irá encaminhar as informações para as equipes de fiscalização.

A partir de segunda, as denúncias podem ser feitas no 156. Assim que os telefones funcionais forem reativados, a prefeitura irá informar e os mesmos números de whats para denúncia serão retomados.

A indisponibilidade deve-se à troca de operadora de telefonia móvel.

*Fonte: Site da Prefeitura de Caxias do Sul.

Meneguzzi pede fiscalização mais rigorosa à gestão do InSaúde na UPA Central

setembro 24, 2020

Parlamentar relatou denúncias de suposta negligência no atendimento médico e conivência no caso das confraternizações internas

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se pronunciou na sessão desta quinta-feira (23), sobre denúncias recebidas de funcionários da UPA Central, referentes às confraternizações denunciadas recentemente pela imprensa local, protocolos adotados pela empresa gestora (InSaúde) e procedimentos médicos adotados no serviço de pronto atendimento. Conforme ele, os trabalhadores afirmaram que houve cerca de cinco festas deste tipo entre março e maio deste ano.

Além disso, apresentaram fotos e postagens em redes sociais, que revelam a realização das festinhas internas, inclusive, durante o dia e sem a observação dos protocolos de contenção da Covid-19 e com o conhecimento e participação da direção da UPA. Fato que foi negado pelos gestores, em uma reunião realizada no final de agosto entre a Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo, equipe diretiva da empresa e representantes da Secretaria Municipal de Saúde.

Eu pensei que a UPA fosse 24 horas e que o zelo da direção do InSaúde também fosse 24 horas. Não sabia que, de madrugada, todo mundo pode fazer o que quiser lá dentro. Então, a história de que a direção do InSaúde não sabia das confraternizações é mentira. Aliás, o instituto deveria demitir os dois diretores e a chefia de enfermagem, porque mentiram, fomos coniventes e, inclusive, participaram das confraternizações, assim como fizeram com os funcionários denunciados”, afirmou.

Meneguzzi também relatou denúncias recebidas de trabalhadores da UPA Central, referentes à conduta de médicos. Segundo eles, alguns profissionais costumam tratar os pacientes com negligência, descaso e desumanidade. Além disso, que a direção da empresa não tem um canal de comunicação com os trabalhadores.

Alguns servidores da UPA têm medo de serem demitidos. Eles não conseguem ser ouvidos pela direção do InSaúde. Já houve casos de óbito, segundo eles. Tem médicos que deixam as pessoas esperando por horas, porque estão dormindo. É assim que o médico tem que tratar a população? A Secretaria de Saúde deveria ficar mais atenta ao que ocorre na UPA Central, fiscalizar mais. Serão R$ 24 milhões em um ano pagos pelo Município e o InSaúde continua repetindo os mesmos erros do IGH na UPA Zona Norte”, salientou.

O vereador alertou ainda para o término do contrato do InSaúde com o Município, no dia 30 de outubro. Ele disse que os 200 funcionários estão apreensivos com o futuro da unidade de pronto atendimento e a manutenção dos empregos. “Essa empresa ficou ou não fica? A UCS? Vai ser feito um novo edital? Ou essa empresa que está fazendo um caos de gestão?”, questionou.

Ouça a notícia em podcast

Vereador Alberto Meneguzzi visita UPA Zona Norte

agosto 6, 2020

Parlamentar verificou novo sistema de trabalho no primeiro mês de contrato com a FUCS

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo, vereador Alberto Meneguzzi/PSB visitou, na tarde desta quarta-feira (05), UPA Zona Norte. A agenda ocorreu no Dia Nacional da Saúde. O parlamentar foi recebido pelo diretor médico, Walter Praetzel Porto; e as coordenadoras administrativa, Fabiane de Andrade, e de enfermagem, Vilma Ceron. Desde 1º de julho, a unidade é administrada pela Fundação Universidade de Caxias do Sul (FUCS). Atualmente, são 202 funcionários trabalhando no pronto atendimento.

Meneguzzi visitou as instalações e conversou com os novos gestores a respeito da administração compartilhada da UPA Zona Norte com a Secretaria Municipal de Saúde. O vereador foi informado de que, por causa da pandemia, o número de atendimentos reduziu em relação aos primeiros meses do ano. Além disso, de que as alas de Psiquiatria e Traumatologia foram transferidas para a UPA Central (antigo Postão). “Lamento o fechamento destas alas. Apesar de diminuir o custo para o Município, me preocupa o fato destes dois tipos de serviços deixarem de ser prestados naquela região da cidade, sendo transferidos para a zona central”, salienta.

Ainda segundo Alberto Meneguzzi, o contrato emergencial com a FUCS, autorizado pelo Legislativo, vem sendo cumprido dentro das metas que foram propostas. “Há um outro ambiente no local. Ao contrário da época do IGH, que eram denúncias a toda hora por descumprimento das leis trabalhistas e protocolos de atendimento, que várias vezes levei ao conhecimento do Ministério Público. A grande maioria dos empregos foram preservados pela FUCS e essa foi uma das minhas reivindicações”, ressalta.

O parlamentar reitera posicionamento contrário à terceirização dos serviços de saúde pública. “No contexto que foi criado pela rescisão de contrato com o IGH, o contrato emergencial com a FUCS foi o mais sensato para manter o atendimento da população. Entretanto, acredito que, durante este período intermediário, o Município estude a municipalização da UPA Zona Norte e também o retorno dos servidores públicos à UPA Central e não renove o contrato com o InSaúde, no final deste ano”, reafirma.

Ouça a notícia em podcast

Meneguzzi cobra continuidade da investigação das irregularidades apontadas contra o IGH

maio 14, 2020

 

Parlamentar pede firmeza na fiscalização do novo contrato da UPA Zona Norte

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo (CSMA), vereador Alberto Meneguzzi/PSB repercutiu, na sessão desta quinta-feira (14), sobre o rompimento do contrato de gestão compartilhada da UPA Zona Norte pelo IGH (Instituto de Gestão e Humanização). Segundo ele, uma decisão que contrapõe ao momento atual da saúde pública. O primeiro comunicado ocorreu em outubro do ano passado, com previsão de deixar administração da UPA no final de janeiro deste ano. Porém, o novo governo solicitou que a empresa continuasse por mais um tempo.

Meneguzzi ressaltou que o IGH nunca foi transparente na gestão dos recursos públicos e nem mesmo com os funcionários. Ele se referiu às dezenas de denúncias de descumprimento das leis trabalhistas que chegaram até ele e foram encaminhadas aos órgãos competentes. Além disso, à falta de fiscalização no gasto do dinheiro público. “Essa empresa recebeu desde 2017, em torno de R$ 50 milhões. Eles não estão fazendo filantropia. Foram quase R$ 2 milhões por mês de recursos públicos e mandam documento dizendo vamos embora. Quais são os motivos?”, questiona.

O vereador lembrou ainda que a comissão de avaliação da prestação de contas somente foi criada pela gestão anterior da Secretaria Municipal de Saúde um ano e meio depois do início do contrato. O grupo de trabalho apontou R$ 1,9 milhão em irregularidades, dos quais, segundo o Executivo, R$ 1,6 milhão foram retidos. Naquela época, o IGH já havia recebido R$ 31 milhões. “Essa empresa está dizendo eu vou embora e eu quero o valor de volta. Se investigar, tem mais valores aí. Não tem que devolver dinheiro irregular. O que o Município tem que fazer agora é garantir os empregos dos cerca de 260 servidores e achar uma alternativa que possa manter o atendimento”, afirmou.

Alberto Meneguzzi também solicitou que o Executivo faça uma fiscalização efetiva da prestação de contas da futura gestora da UPA Zona Norte. “Que não seja depois de um ano e meio, como fez a gestão anterior. Faça uma análise criteriosa e um controle mais efetivo”, concluiu.

Ouça a notícia em podcast

 

Prefeitura de Caxias faz 2,5 mil vistorias desde o início do decreto e adverte 60% dos estabelecimentos vistoriados

abril 2, 2020

Oito bares foram interditados em diferentes pontos da Cidade de Caxias. A ação que foi preventiva e também seguiu denúncias da comunidade via Alô Caxias,  aconteceu na noite da última terça-feira (31.03)

Segundo a Prefeitura de Caxias, durante o dia, a fiscalização também fechou estabelecimentos comerciais na área central. Estabelecimentos estes que não se enquadram em serviços essenciais à população, conforme decretos de combate ao coronavírus.

Desde o início do decreto de fechamento de estabelecimentos, dia 18 de março, já foram realizadas pela Secretaria de Urbanismo, mais de 2,5 mil vistorias, 60% dos estabelecimentos foram advertidos e apenas um, até agora, foi multado.

(*Fonte: Caxias.rs.gov.br  Foto: Andreia Copini)

Vereador Alberto Meneguzzi vistoria UPA Central

março 6, 2020

Parlamentar reitera função fiscalizadora da terceirização dos serviços de saúde pública

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (CSMA) do legislativo de Caxias do sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, vistoriou, na manhã desta sexta-feira (06), as instalações da UPA Central, antigo Postão 24 Horas. Ele foi acompanhado pela diretora do InSaúde, que realiza a gestão compartilhada com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Candida Brum, e pela enfermeira Cintia Demeneghi.

O parlamentar conheceu todos os setores da unidade de pronto atendimento, inaugurada em dezembro do ano passado. Segundo informações da diretora, são mais de 250 funcionários, entre celetistas e autônomos, que atendem uma média de 8 mil pacientes por mês.

A fiscalização do serviço público faz parte da atribuição dos vereadores. Ainda mais se for um contrato terceirizado, como são os casos do IGH e InSaúde. Houve muitas denúncias com relação à gestão do IGH na UPA Zona Norte. Levamos ao plenário e às autoridades competentes. Continuarei fiscalizando o investimento público em saúde, não só por meio das terceirizadas, mas também, na rede básica, administrada diretamente pelo Executivo e com servidores públicos”, ressaltou.

Meneguzzi recebeu informações sobre protocolos e modalidades de atendimento e gestão de recursos humanos, entre outras questões administrativas e operacionais. Ainda conforme as gestoras, a procura pela nova unidade aumentou a partir de fevereiro, voltando ao patamar de 60% do total dos casos de urgência e emergência, sendo que o restante é realizado na UPA Zona Norte.

Meneguzzi pede ações redobradas de fiscalização no trânsito em Caxias

fevereiro 5, 2020

Parlamentar também solicita ações de prevenção à alcoolemia

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se manifestou, na sessão desta quarta-feira (05), demonstrando a preocupação referente à falta de conscientização no trânsito. O parlamentar enviará ofício ao secretário de Trânsito, Transporte e Mobilidade, Alfonso Willenbring Júnior, pedindo mais fiscalização em Caxias do Sul.

Meneguzzi ressaltou dados de que, no ano passado, a Operação Balada Segura abordou 11.528 veículos. Destes, 777 condutores foram identificados dirigindo sob influência de álcool, sendo 20 presos em flagrante por atingir índice superior a 0,33 mg/l de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões. Segundo o vereador, as blitze desempenham um papel fundamental, pois ajudam a diminuir o número de acidentes e mortes no trânsito.

De acordo com Meneguzzi, também é importante que sejam realizadas ações de orientações antes da meia-noite. “Estou sugerindo mais ações fiscalizatórias e educativas no trânsito. Aquele que bebe e dirige é um irresponsável, que coloca não só não apenas a sua vida em risco, mas a vida de outras pessoas também. A simples presença de uma viatura, de um fiscal de trânsito já inibe uma ação errada de um condutor”, concluiu.

Alberto Meneguzzi e diretoria do Sindiserv reiteram luta pela municipalização do pronto atendimento

janeiro 30, 2020

Parlamentar defende decisão conjunta entre os órgãos de gestão, fiscalização e controle

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo (CSMA), vereador Alberto Meneguzzi/PSB recebeu, na manhã desta quinta-feira (30), a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindiserv), Silvana Piroli. Também participaram o secretário-geral, Valderes Fernando Leite e a delegada sindical, Magda Beatriz Teles.

A principal temática foi a atual situação da rede pública de saúde de Caxias. Em destaque, os problemas gerados pela terceirização das UPAs Central e Zona Norte. A líder sindical e o vereador concordam que o pronto atendimento precisa ser municipalizado, por meio do trabalho de servidores públicos.

Meneguzzi e Silvana concordam que o Executivo precisa reavaliar o sistema de gestão compartilhada das UPAs, adotada no governo anterior. “Medida equivocada do prefeito cassado, que só trouxe prejuízo para a população do ponto de vista do atendimento, para os funcionários e, além disso, para os cofres públicos, já que o Município, depois de 19 meses, montou uma Comissão, cujo relatório revelei à comunidade, cobrando R$ 1,9 milhão de devolução do IGH por irregularidades no gasto do dinheiro do contribuinte”, afirma. O valor apontado pelo grupo de trabalho equivale a cerca de uma parcela mensal paga à empresa terceirizada.

Ao contrário do que ocorreu quando o ex-prefeito Daniel Guerra decidiu terceirizar o serviço, concordamos que a municipalização das duas unidades devem ser discutidas, de forma conjunta, com o Executivo, o Sindiserv, a Comissão e o Conselho Municipal de Saúde”, salienta Meneguzzi.

Na próxima terça-feira (04), Alberto Meneguzzi voltará a se encontrar com Silvana Piroli, durante a primeira reunião ordinária da Comissão de Saúde deste ano legislativo. O encontro ocorre às 14h, na Sala de Reuniões do 2º andar da Câmara de Vereadores.

Meneguzzi pedirá fiscalização sobre efetivo de abertura da UPA Central

dezembro 4, 2019

Parlamentar defende funcionamento pleno do novo pronto atendimento

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB considera grave a denúncia apresentada pelo presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), Alexandre Silva, na sessão legislativa desta quarta-feira (04). O representante da comunidade revelou que o InSaúde, empresa licitada para operar a nova UPA Central 24 Horas, utilizou o auditório do espaço público para fazer seleção de funcionários. Entretanto, ponderou que o Conselho não é autorizado a utilizar o local para suas reuniões.

Conforme Silva, na seleção, de 43 vagas para clínicos gerais, somente dois profissionais foram selecionados. Na pediatria, de 18 vagas apenas duas foram preenchidas. Ele lembrou ainda que, para a UPA Zona Norte, o Conselho havia solicitado um terceiro ortopedista, mas que o Instituto de Gestão e Humanização (IGH) não concretizou.

O contexto que envolve a abertura da UPA Central, prevista para o dia 14 de dezembro preocupa Alberto Meneguzzi. “A informação trazida pelo presidente do Conselho de Saúde revela a gravidade da situação. O Executivo pretende abrir um serviço, sem funcionários suficientes para cumprir a demanda. Na UPA Zona Norte, o IGH desrespeita as leis trabalhistas e quarteiriza o serviço público. Esta não é a realidade que nós queremos para a UPA Central. A população que ficou sem essa unidade por mais de uma no merece ter um atendimento eficiente e de qualidade”, afirma.

Meneguzzi ressalta que pedirá acompanhamento da Secretaria Especial do Ministério da Economia (antigo Ministério do Trabalho) e do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (SindiSaúde), com relação à abertura do novo pronto atendimento, assim como fez contra o IGH. O vereador já efetuou diversas denúncias aos Ministérios Públicos Federal (MPF) e Estadual (MPE) sobre a gestão de recursos humanos na UPA Zona Norte pelo IGH.

Meneguzzi pede que Procon e ANP fiscalizem preços dos combustíveis

janeiro 15, 2019

Em ofício encaminhado na segunda-feira, parlamentar questiona repasse das reduções das refinarias

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) encaminhou, na tarde de segunda-feira, 14 de janeiro, ofício ao coordenador do Procon Caxias do Sul, Luiz Fernando Del Rio Horn. No documento, o parlamentar pede que o órgão de defesa dos direitos do consumidor e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) fiscalizem os postos caxienses acerca do repasse das reduções de preços nas refinarias ao consumidor final.

De acordo com Meneguzzi, o objetivo da ação é dar mais transparência aos preços praticados pelas revendas e alertar o consumidor de propagandas enganosas ou preços abusivos. “Nossa intenção é garantir os direitos do cidadão, sobretudo a partir desses anúncios da Petrobras, de queda de preços nas refinarias e que isso, certamente, precisa chegar às bombas com mais rapidez, da mesma forma que acontece quando há aumento”, salienta.