Senegaleses apresentam propostas de integração ao presidente da Câmara

janeiro 20, 2018

Vereador Alberto Meneguzzi também colocou Legislativo à disposição para mediar conversas acerca de política municipal para os imigrantes 

Um grupo de senegaleses apresentou propostas de atividades de integração cultural ao presidente da Câmara Municipal de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi (PSB), em visita à sede do Legislativo, nesta sexta-feira, 19 de janeiro. Participaram da conversa o presidente da Associação dos Senegaleses de Caxias do Sul, Abdou Lahat Ndiaye, mais conhecido por Billy, o comerciante Babacar Gning, e o presidente do Movimento Negro Imigrante no Brasil (MNIB), Demba Sokhna.

Os visitantes informaram que a associação do grupo já está formalizada na cidade com Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), o que pode facilitar na realização de parcerias com órgãos públicos e outras entidades. Babacar e Demba disseram que o objetivo é tornar a associação ainda mais conhecida e que seja uma referência na integração e, especialmente, na valorização das culturas. “Caxias do Sul é uma das cidades que mais acolheu imigrantes. No caso da nossa associação, queremos que seja referência a quem vem para cá e também aos caxienses. E acreditamos que a Câmara pode nos ajudar”, ressaltou, sugerindo a constituição de um grupo de trabalho. Proposição semelhante Meneguzzi fez recentemente ao visitar o Centro de Atendimento ao Migrante (CAM).

Conforme Babacar, esse grupo poderia se reunir periodicamente e pensar em atividades sociais, culturais e intelectuais envolvendo tanto os imigrantes quanto os próprios caxienses. “Podemos fazer um estudo colaborativo e, juntos, buscar inclusive recursos no Exterior para criarmos um projeto de integração que dure por longo prazo, pois também queremos ajudar no desenvolvimento da cidade e do país”, complementou Demba, que tem formação superior em Letras e Ciências Humanas, com especialização em Línguas Estrangeiras.

Ele explica que, atualmente, os senegaleses não precisam de doações de alimentos porque se ajudam nesse aspecto. A necessidade é mais voltada à inserção social, à apropriação da língua portuguesa e dos serviços de saúde, e a trocas de experiências e de conhecimentos culturais.

O grupo destacou que diversas ações foram executadas na cidade, como o desfile África Fashion e um encontro de gastronomia senegalesa, contando com o incentivo e a presença da comunidade caxiense. Entretanto, para promoverem novas iniciativas, esperam contar com apoio do Parlamento e de demais entidades e órgãos públicos. Uma das ideias é organizar a Semana da África na cidade, adiantou Demba, ao mesmo tempo em que sugeriu à TV Câmara pensar em algum programa que fosse mais direcionado aos migrantes.

Meneguzzi informou que o Legislativo está aberto a todas as etnias e considerou necessário pensar numa política municipal de imigração. Também disse que levará as propostas e ideias do grupo aos diferentes setores e comissões parlamentares da Casa. “A estrutura e os espaços do Legislativo estão disponíveis a toda a população de forma organizada. No que se referir às políticas envolvendo outros órgãos, a Câmara pode ser intermediadora. Nosso propósito é ajudar a criar caminhos, soluções, pontes”, ressaltou, agradecendo aos senegaleses pela visita.

Ao final do encontro, Meneguzzi presenteou os senegaleses com o livro “Democracia, memória e cidadania: 125 anos do Poder Legislativo em Caxias do Sul” e propôs uma próxima reunião para o mês de fevereiro.

 

Legislativo intermediará grupo de trabalho sobre Política Municipal para a População Imigrante

janeiro 11, 2018

Existe a intenção desenvolver parceria com o Legislativo para cursos de Língua Portuguesa

O presidente da Câmara Municipal, vereador Alberto Meneguzzi (PSB), realizou visita institucional ao Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), na manhã desta quinta-feira, 11 de janeiro. Durante o encontro, a coordenadora da entidade ligada à Congregação das Irmãs de São Carlos Borromeu, irmã Maria do Carmo Gonçalves, expôs as dificuldades enfrentadas pela comunidade imigrante, no município. Entre os principais desafios está a elaboração de uma política municipal para a população imigrante.

Meneguzzi colocou o Legislativo à disposição do CAM, sobretudo como interlocutor e mediador para a criação de um grupo de trabalho para tal finalidade, que reúna as comissões da Câmara, o Executivo, as entidades religiosas, demais associações, entidades sindicais e a sociedade civil. “A partir do momento em que as pessoas migram, elas buscam melhores condições de vida. Chegando ao Brasil, da mesma forma que muitas nacionalidades há mais de um século, elas se tornaram cidadãs brasileiras e precisamos atendê-los com dignidade e respeito”, comenta o presidente da Câmara.

A religiosa também destacou que uma das principais dificuldades dos imigrantes de matriz africana é a linguagem. De acordo com irmã Maria do Carmo, muitos deles perdem oportunidades de trabalho ou de validação dos seus estudos pela dificuldade de comunicação. A partir dessa declaração, Alberto Meneguzzi se comprometeu a desenvolver parceria com a Escola do Legislativo para a realização de cursos de Língua Portuguesa. A iniciativa seria válida tanto para os imigrantes que já têm um conhecimento básico do idioma, quanto para servidores públicos, na intenção de facilitar o atendimento nos órgãos governamentais.