UBS Cinquentenário já tem novo endereço

julho 3, 2020

A Unidade Básica de Saúde será instalada na Avenida Júlio de Castilhos, em frente ao SENAC

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB, se manifestou em suas redes sociais na noite desta quinta-feira (02), sobre o surto de coronavírus na UBS Cinquentenário. Na manhã desta sexta-feira (03), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou o novo endereço da Unidade Básica de Saúde, a qual deverá ser reaberta em 30 dias. Será instalada na Avenida Júlio de Castilhos, 3633, em frente ao SENAC.

A SMS já estudava um novo espaço, pois o atual é pequeno para os mais de 25 mil usuários. No total, são 20 servidores e uma higienizadora. Desses, 5 foram afastados imediatamente quando iniciaram os primeiros sintomas gripais e foram testados por meio do método RT-PCR.

Segundo o secretário Municipal da Saúde, Jorge Olavo Hahn Castro, todos os usuários que estiverem com sintomas gripais e foram atendidos na UBS Cinquentenário no período de 11 de junho a 1º de julho serão testados após o 14º dia do início dos sintomas. A Unidade Básica de Saúde entrará em contato para fazer o agendamento.

Em caso de necessidade de atendimento médico, os usuários podem procurar a UPA Central.

Ouça a notícia em podcast

 

Covid-19: Meneguzzi solicita a interdição da UBS Cinquentenário após confirmação de surto

julho 2, 2020

O Vereador Alberto Meneguzzi ( PSB) recebeu no final da tarde desta quinta-feira (02.07), por parte da Secretaria Municipal da Saúde de Caxias do Sul (SMS) a confirmação de que oito funcionários da UBS do Cinquentenário estão afastados em função da Covid-19.  Existem três casos que testaram positivo. “Entendo que com um número tão grande de casos confirmados e de afastamentos por suspeita, o local precisa ser interditado.” O parlamentar, que é integrante da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul entende que a interdição é urgente. ” Mesmo que a Secretaria da Saúde esteja tomando medidas preventivas como afastamento dos servidores, testagem e modificações no refeitório ( provável origem do surto), é preciso priorizar a saúde dos servidores e dos usuários do SUS que utilizam os serviços da UBS) . A Secretaria de Saúde informou ao Vereador Meneguzzi, que nesta sexta-feira ( 03.07) haverá a sanitização do local. ” Reitero: é preciso interditar o local imediatamente.”

 

 

Estado autoriza continuidade de Caxias na bandeira laranja do Coronavírus

junho 29, 2020

Município teve recurso deferido sobre a classificação de alto risco

Caxias do Sul e região da Serra foram autorizadas pelo governo estadual a permanecerem com as medidas de contenção referentes à bandeira laranja do Coronavírus. A decisão foi anunciada na tarde desta segunda-feira (29), pelo governador Eduardo Leite. A manutenção do status de zona de risco médio da Covid-19 atendeu a um recurso impetrado pela Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne), alegando inconsistências nas justificativas do Executivo estadual para a inclusão na área de alto risco (bandeira vermelha), no último fim de semana.

A reclassificação entra em vigor, para fins de avaliação, nesta terça-feira (30). A validade é de uma semana. O governo municipal de Caxias poderá emitir, via decreto, novas normas de contenção do Coronavírus. Entretanto, permanece em vigor o último decreto, que, entre outras medidas, proibiu a abertura dos supermercados e shoppings aos domingos.

Ouça a notícia em podcast

Caxias do Sul permanece como bandeira vermelha do Coronavírus

junho 13, 2020

Conforme a classificação final das regiões de Caxias do Sul, Santo Ângelo, Santa Maria e Uruguaiana foram incluídas na bandeira vermelha do Coronavírus, a partir desta segunda-feira (15). O Executivo pediu reclassificação, mas o governo do Estado manteve o status e deverá revisar somente neste fim de semana.

De acordo com os critérios calculados pelo modelo de Distanciamento Controlado, é preciso esclarecer o que muda nesses locais nos quais o risco de contágio do coronavírus é considerado alto. A bandeira vermelha, em essência, impõe restrições mais severas àquelas adotadas em áreas com bandeira laranja. Sendo assim, nas regiões classificadas neste sábado (13/6) como bandeira vermelha, somente estabelecimentos que vendem itens essenciais podem estar abertos, mantendo 50% dos trabalhadores. Os demais locais de comércio devem ficar fechados.

Restaurantes e lancherias ficam proibidos de receber clientes no local, mas podem atender em sistema de tele-entrega, drive-thru e pegue e leve. Nos shoppings, também fica permitido o acesso apenas a serviços essenciais, como farmácias, lavanderias e supermercados, que podem operar com apenas 25% dos funcionários. Fora isso, os shoppings devem permanecer fechados, sem circulação de pessoas.

As aulas devem ser mantidas de forma remota. Cursos livres, cujo funcionamento seria permitido, com respeito às medidas sanitárias, a partir do dia 15 de junho, devem permanecer fechados, assim como escolas de ensino infantil, fundamental e médio e universidades.

Academias, missas e serviços religiosos, clubes sociais e esportivos (mesmo que com atendimento individual), e serviços de higiene pessoal, como cabeleireiro e barbeiro, por exemplo, passam a ser totalmente vedados.

O modelo de Distanciamento Controlado está dividido em protocolos que devem ser adotados para cada atividade econômica conforme a bandeira semanal. Por isso, é preciso que os moradores de cada uma das regiões acessem o site distanciamentocontrolado.rs.gov.br para consultar os protocolos específicos de cada setor.

Todas as regiões, seja qual for a bandeira na qual está classificada, devem seguir todos os protocolos de prevenção, que incluem uso de máscara, distanciamento entre as pessoas, higienização dos ambientes e das mãos, uso de equipamento de proteção individual (EPI), afastamento de casos positivos ou suspeitos, teto de ocupação e atendimento diferenciado para grupos de risco.

Ajustes no modelo de Distanciamento Controlado

O modelo de Distanciamento Controlado foi implementado dia 10 de maio e está amparado em evidências científicas e análise de dados para definir níveis de riscos, traduzidos em bandeiras, e aplicar restrições na proporção, momento e local em que forem necessárias, com protocolos para cada atividade econômica conforme a região.

Na primeira rodada do modelo, em 10 de maio, a região de Lajeado foi classificada como vermelha. Na rodada seguinte, conseguiu reduzir para bandeira laranja (risco médio) e, desde então, nenhuma das 20 regiões foi classificada como bandeira vermelha.

Ajustes anunciados na quinta-feira (11/6), porém, fizeram com o que o modelo se tornasse mais sensível a mudanças, a fim de que o Estado possa dar mais segurança de atendimento hospitalar no futuro. Houve ajuste no ponto de corte de sete indicadores, alteração de indicadores, e modificação e adoção de dois gatilhos de segurança.

Com a sexta rodada do Distanciamento Controlado, fica vigente a regra das bandeiras vermelha e preta (risco altíssimo). Se uma região atingir bandeira final vermelha – como Caxias do Sul, Santo Ângelo, Santa Maria e Uruguaiana – ou preta, será preciso que permaneçam, por duas semanas consecutivas, com classificação final em bandeira de menor gravidade. Somente assim será possível que a região possa obter redução na classificação de risco. A medida trará maior segurança para caracterizar a efetiva melhora nas condições de uma região.

BANDEIRA VERMELHA: O QUE MUDA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Redução no teto de operação (número máximo permitido de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no ambiente de trabalho, aplicado a serviços com quatro ou mais trabalhadores) dos serviços públicos não essenciais, restrito a 25% dos trabalhadores.
Serviço de habilitação de condutores com operação restrita a apenas 50% dos trabalhadores.
Serviços públicos essenciais, como segurança e manutenção de ordem pública, política e administração do trânsito, bem como atividades de fiscalização e inspeção sanitária, não têm a operação afetada com a bandeira vermelha.

AGROPECUÁRIA
Produção e serviços relacionados à agricultura, pecuária e produção florestal sofrem redução no teto de operação a 50% dos trabalhadores.

ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
Restaurantes, padarias e lanchonetes deixam de operar na modalidade presencial, ofertando serviços apenas por meio de tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.
Hotéis, por sua vez, passam a operar com apenas 40% dos quartos disponíveis.

COMÉRCIO
Na bandeira vermelha, o comércio de rua e em centros comerciais ou shopping é suspenso, e os estabelecimentos devem ficar fechados. O mesmo ocorre para o comércio de veículos.
Somente poderão operar estabelecimentos que comercializem itens essenciais, como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte. Mesmo assim, farmácias, supermercados e postos de gasolina têm operação reduzida a 50% dos trabalhadores.
Serviços de manutenção e reparação de veículos automotores passam a operar com apenas 25% dos trabalhadores.
Comércio atacadista de itens não essenciais deixa de atender na modalidade presencial. O teto de operação é reduzido a 25% dos trabalhadores, com atendimento exclusivo via tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

EDUCAÇÃO
A partir do dia 15 de junho, algumas atividades de ensino serão retomadas nas bandeiras laranja e amarela. Na bandeira vermelha, portanto, as atividades de cursos livres ficam suspensas. Nas universidades, somente são mantidas em funcionamento na bandeira vermelha as atividades de laboratório necessárias à manutenção de seres vivos. Demais atividades de ensino seguem na modalidade remota, exclusivamente.

INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
Construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços de construção, por serem considerados essenciais, sofrem apenas redução na operação, passando de 100% para 75% dos trabalhadores na bandeira vermelha.

INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA
Passam a operar com apenas 50% dos trabalhadores, à exceção das consideradas essenciais, como alimentação, bebidas, fármacos e de extração de petróleo e minerais, que têm o teto reduzido de 100% para 75% de trabalhadores.
Para atender a essa restrição no total de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no estabelecimento, sugere-se que, além do teletrabalho, as indústrias adotem regimes de escala, rodízio e/ou turnos alternativos para a manutenção da produção.

SAÚDE
No campo da saúde, vital ao enfrentamento da pandemia, os serviços não são afetados. No entanto, recomenda-se a postergação de consultas eletivas.
Serviços de veterinária, porém, têm a atividade reduzida para 50% dos trabalhadores.

SERVIÇOS
Com a bandeira vermelha, ficam fechadas todas as atividades relacionadas à arte, cultura e lazer, incluindo academias de ginástica, clubes sociais e esportivos.
Ficam vedadas também as atividades de captação de áudio e vídeo em teatros e casas de espetáculo, de empréstimo e consulta de itens em museus, bibliotecas e acervos, bem como os ateliês de arte, os quais recentemente foram liberadas nas bandeiras amarela e laranja em teatros.
Parques, jardins botânicos e zoológicos são fechados para atendimento ao público, sendo permitida a operação de 50% dos trabalhadores para manutenção dos espaços e seres vivos.
Serviços religiosos em templos igrejas e similares ficam fechados, não podendo receber o público de fiéis. No entanto, segue sendo permitida a captação de áudio e vídeo dos serviços religiosos, como missas.
Serviços de higiene pessoal (cabeleireiro e barbeiro) não podem abrir na bandeira vermelha, assim como agências de viagens.
Serviços de imobiliários, de consultora e administrativos passam a atender somente via teleatendimento, com no máximo 25% dos trabalhadores presentes no estabelecimento.
Serviços bancários e de advocacia permanecem com atendimento presencial restrito, com no máximo 50% dos trabalhadores.
Por fim, serviços de lavanderia e de reparo e de manutenção de objetos, considerados essenciais, permanecem abertos aos clientes, mas com teto de operação reduzido a 25% dos trabalhadores.

SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
Serviços de edição e edição integrada à mídia impressa, bem como de produção de vídeos e programas de televisão, seguem autorizados a funcionar, com teto de operação reduzido a 50% dos trabalhadores. A atividade de rádio e televisão, porém, não sofre alteração, seguindo com operação de 75% dos funcionários.

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA
Serviços de utilidade pública não sofrem alteração na operação com a vigência da bandeira vermelha, dado sua essencialidade. Seguem atuando com 100% dos trabalhadores.
No entanto, mesmo com 100% de operação permitida, esses estabelecimentos devem respeitar o número máximo de pessoas por ambiente permitido com o distanciamento mínimo obrigatório entre pessoas, isto é, respeitar o teto de ocupação.
Em escritórios pequenos, o limite de ocupação de um ambiente pode levar a um estabelecimento ter menos trabalhadores atuando presencialmente de forma simultânea, mesmo com a operação de 100% autorizada.

TRANSPORTES
O transporte de passageiros passa a operar com apenas 50% dos assentos da janela disponíveis. Sendo ambiente de aglomeração e propenso à disseminação do vírus, esse protocolo de operação deve ser estritamente respeitado nas bandeiras de maior risco.

 

 

 

Alberto Meneguzzi cobra ações mais efetivas de segurança nas UBSs de Caxias

junho 5, 2020

Vereador ressalta necessidade de avançar nas medidas de proteção dos servidores da saúde pública

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (CSMA) do Legislativo de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, participou, na manhã desta sexta-feira (05) da reunião extraordinária do grupo de trabalho. O objetivo foi discutir a falta de segurança nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), diante de assaltos e roubos ocorridos recentemente. O parlamentar recebeu várias denúncias sobre estes casos e encaminhou pedidos de providências para a Secretaria Municipal de Segurança e Proteção Social (SMSPPS) e Brigada Militar.

Meneguzzi ressaltou a gravidade das ocorrências, principalmente, nas UBSs Tijuca e Pioneiro, onde uma médica foi assaltada, próximo a uma unidade da Brigada Militar. “Temos um Batalhão de Choque com uns 100 policiais na entrada da zona norte e, mesmo assim, tem assaltos. Até hoje espero resposta da Brigada Militar, que quando vem aqui é sempre a mesma choradeira de décadas, que é da falta de efetivo”, salientou.

Ainda conforme o parlamentar, é necessário que reuniões como esta sirvam para o encaminhamento de ações mais efetivas para promover a segurança dos profissionais que trabalham nas UBSs do município e dos usuários que procuram o atendimento nestes locais. “Volta e meia ano, temos repetições reuniões, sempre os mesmos assuntos, porque as coisas não mudam, as autoridades não fazem mais que paliativos e estamos sempre reclamando e torcendo para que surjam ações efetivas e concretas, e não fique apenas na discussão”, ressaltou.

Ouça a notícia em podcast

Meneguzzi pede suplementação de verba municipal para o Hospital Pompéia

junho 4, 2020

Parlamentar ressalta luta das instituições em busca de verbas para manter o atendimento

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se pronunciou, nesta quinta-feira (04), sobre a crise financeira dos hospitais de Caxias do Sul, que atendem a comunidade da região da Serra pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A manifestação ocorreu durante a sessão extraordinária de votação do projeto do Executivo, que pediu autorização à Câmara de Vereadores para o repasse de R$ 1,5 milhão para a conclusão das obras do Hospital Geral, onde será construído o Hospital Materno-Infantil.

Meneguzzi voltou a pedir mais verbas para as instituições hospitalares de Caxias. Ele defendeu que o Município reajuste a suplementação de verba para o Hospital Pompéia. “O Legislativo está fazendo a sua parte. São R$ 5 milhões. Talvez seja essa chance que nós temos nesse momento, de resgatar um pouco a área da saúde. O Município está colocando a mais do seu orçamento, mesmo assim os hospitais estão sempre correndo atrás da máquina”, ressaltou.

O parlamentar ressaltou ainda a postura das direções dos hospitais, com relação à transparência no uso do dinheiro recebido do poder público. Além disso, destacou o esforço das instituições e do Executivo para a garantia do atendimento durante a pandemia, apesar da falta de verbas estaduais e federais. “É um mérito das direções dos hospitais e da Secretaria Municipal da Saúde, que está abrindo mais cinco leitos de UTI. Nos últimos meses, o município está bancando esses leitos, não está esperando verba federal”, ressaltou.

Alberto Meneguzzi também destacou a falta de ajuda financeira por parte dos municípios da Serra para a internação de pacientes. Segundo ele, dos 13 pacientes internados por Covid-19 em Caxias, sete são de fora da cidade. Ainda conforme ele, enquanto o governo municipal investe mais do que a obrigação constitucional, Estado e União não fazem mais que a obrigação, sem cumpri-la na sua integridade. O vereador também destacou campanha do Hospital Geral para arrecadar verbas para a conclusão das obras de ampliação.

Ouça a notícia em podcast

 

 

Meneguzzi alerta para a necessidade de apoio ao Hospital Pompéia

abril 24, 2020

Parlamentar propõe reunião da Comissão de Saúde com a direção da entidade

O integrante da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (CSMA) do Legislativo de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB, se manifestou na sessão desta quinta-feira (23), sobre a atual situação financeira do Hospital Pompéia. Ele pediu atenção e apoio das autoridades da área de saúde pública para com as dificuldades financeiras da instituição hospitalar em plena crise do Coronavírus. O parlamentar encaminhará um documento à Comissão de Saúde, sugerindo uma reunião com o diretor-superintendente do Hospital Pompéia, Francisco Ferrer.

Segundo Meneguzzi, os hospitais disponibilizaram uma logística para atender os casos suspeitos e confirmados de infecção pelo Covid-19. Entre as medidas, está a redução de cirurgias eletivas. Com menos receita e com um custo fixo que não foi alterado, o Pompéia teve uma perda de receita de quase 30%.

A instituição, em apenas um mês, perdeu R$ 2,3 milhões de receita”, ressaltou.

Ainda de acordo com Alberto Meneguzzi, a situação do Hospital Pompéia é grave e as autoridades precisam apoiar a instituição. ”Mesmo com a pandemia, a instituição continua atendendo 24 horas pacientes de de outras doenças. São mais de 100 anos de dedicação à comunidade de Caxias e região serrana. Com toda essa história, é necessário que o governo faça a sua parte, disponibilizando mais recursos para o Pompéia”, afirmou.

Papa na mensagem de Páscoa: deixar-se contagiar pela esperança de Cristo

abril 12, 2020

*Fonte: Vaticannews.va

O Pontífice presidiu à missa na Basílica Vaticana, na sobriedade que tem caracterizado as celebrações da Semana Santa. No lugar dos fiéis e das flores que enfeitam a Praça São Pedro neste dia, esteve a oração de milhões de pessoas conectadas através dos meios de comunicação. Devido à pandemia, o Santo Padre renunciou ao rito do “Resurrexit” durante a celebração, que recorda o estupor de Pedro ao ver o sepulcro vazio.

Contágio da esperança

Tradicionalmente, o Papa não pronuncia a homilia no domingo de Páscoa e transmite a sua mensagem ao conceder a bênção Urbi et Orbi (à cidade de Roma e ao mundo). Do altar da confissão, o texto de Francisco começa com o anúncio que hoje ecoa em todos os cantos da Terra: “Jesus Cristo ressuscitou; ressuscitou verdadeiramente!”.

“Nesta noite, ressoou a voz da Igreja: ‘Cristo, minha esperança, ressuscitou!’. É um ‘contágio’ diferente, que se transmite de coração a coração, porque todo o coração humano aguarda esta Boa Nova. É o contágio da esperança.”

Não se trata de uma fórmula mágica, explicou, que faz desaparecer os problemas, mas é a vitória do amor sobre a raiz do mal, que  transforma o mal em bem: “marca exclusiva do poder de Deus”.

As chagas da humanidade

O Ressuscitado é o Crucificado. No seu corpo glorioso, estão indeléveis as feridas que se tornaram frestas de esperança. O Papa então citou as feridas abertas hoje da humanidade, começando pelo contagiados com o coronavírus, de modo especial os doentes, os que morreram e os familiares.

“Para muitos, é uma Páscoa de solidão, vivida entre lutos e tantos incômodos que a pandemia está causando, desde os sofrimentos físicos até aos problemas econômicos.”

Esta epidemia não nos privou apenas dos afetos, afirmou Francisco, mas também da possibilidade de recorrer pessoalmente à consolação que brota dos Sacramentos, especialmente da Eucaristia e da Reconciliação. “Mas o Senhor não nos deixa sós!”

O Papa mais uma vez agradeceu aos médicos e enfermeiros, e a todos os profissionais que garantem os serviços essenciais necessários à convivência civil.

Redução de sanções e cancelamento da dívida

O seu pensamento se dirigiu também a quem está preocupado com o futuro e com a falta de emprego, encorajando os políticos a trabalharem em prol do bem comum.

“Este não é tempo para a indiferença, porque o mundo inteiro está sofrendo e deve sentir-se unido ao enfrentar a pandemia”, disse ainda o Pontífice, pedindo que não faltem os bens de primeira necessidade aos que vivem nas periferias, aos refugiados e aos desabrigados.

A propósito, pediu a redução das sanções internacionais que impedem a alguns países de proporcionar apoio adequado aos seus cidadãos e inclusive o cancelamento da dívida que pesa sobre os orçamentos dos mais pobres.

“Este não é tempo para egoísmos, pois o desafio que enfrentamos nos une a todos e não faz distinção de pessoas.”

Fim das guerras e conflitos

Olhando para as regiões que neste momento mais sofrem, o Papa falou da Europa, uma das mais afetadas pelo coronavírus. O continente se recuperou depois da II Guerra Mundial graças à solidariedade, e que seja este o sentimento que prevaleça agora, e o não o ressurgimento de antigas rivalidades.

Francisco voltou a pedir a adesão ao apelo a um cessar-fogo global e imediato de todos os conflitos e repetiu a exortação feita na vigília pascal: “Este não é tempo para continuar a fabricar e comercializar armas, gastando somas enormes que deveriam ser usadas para cuidar das pessoas e salvar vidas.”

O Pontífice mencionou as guerras ainda em andamento na Síria, no Iêmen, no Iraque, bem como no Líbano. Falou também de Israel e da Palestina, da Ucrânia, da crise dos refugiados na Líbia e na fronteira entre a Grécia (“não quero esquecer a ilha de Lesbos”) e a Turquia e de países da Ásia e dos ataques terroristas na África, em especial da crise humanitária que a região de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, está sofrendo. Na América Latina, citou a Venezuela, exortando a soluções concretas e imediatas.

Antes de conceder a bênção Urbi et Orbi, o Papa Francisco concluiu com mais um convite à coragem, a olhar além, para que a humanidade dissipe as trevas que pairam sobre si:

“Palavras como indiferença, egoísmo, divisão, esquecimento não são as que queremos ouvir neste tempo. Mais, queremos bani-las de todos os tempos! Essas palavras prevalecem quando em nós vencem o medo e a morte, isto é, quando não deixamos o Senhor Jesus vencer no nosso coração e na nossa vida. Ele, que já derrotou a morte abrindo-nos a senda da salvação eterna, dissipe as trevas da nossa pobre humanidade e introduza-nos no seu dia glorioso, que não conhece ocaso.”

Prefeitura de Caxias faz 2,5 mil vistorias desde o início do decreto e adverte 60% dos estabelecimentos vistoriados

abril 2, 2020

Oito bares foram interditados em diferentes pontos da Cidade de Caxias. A ação que foi preventiva e também seguiu denúncias da comunidade via Alô Caxias,  aconteceu na noite da última terça-feira (31.03)

Segundo a Prefeitura de Caxias, durante o dia, a fiscalização também fechou estabelecimentos comerciais na área central. Estabelecimentos estes que não se enquadram em serviços essenciais à população, conforme decretos de combate ao coronavírus.

Desde o início do decreto de fechamento de estabelecimentos, dia 18 de março, já foram realizadas pela Secretaria de Urbanismo, mais de 2,5 mil vistorias, 60% dos estabelecimentos foram advertidos e apenas um, até agora, foi multado.

(*Fonte: Caxias.rs.gov.br  Foto: Andreia Copini)

Inicia desinfecção de espaços públicos em Caxias para o combate ao coronavírus

abril 2, 2020

Iniciou na noite da última terça-feira,  a desinfecção da área central da cidade para auxiliar no combate ao coronavírus. A ação aconteceu em dois momentos: em fase de testes, um caminhão de hidrojateamento do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE) e um caminhão-pipa com aspersor da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMMA), foram utilizados para sanitizar a Avenida Júlio de Castilhos. As equipes utilizaram em torno de 11 mil litros de água misturada com peróxido de hidrogênio no ação, que durou em torno de duas horas.

Já na manhã desta quarta-feira (1º), com parceria da iniciativa privada, a desinfecção teve início na Praça Dante Alighieri, seguindo pela rua Sinimbu até a Estação (EPI) Imigrante, sanitizando todas as paradas de ônibus. Após, a equipe retornou pela rua Pinheiro Machado, desinfectou o entorno da UPA Central e, após, os arredores do Hospital Pompeia. Os trabalhos terminaram na Estação (EPI) Floresta.

Também em Vila Oliva,preocupados e bem informados sobre a situação envolvendo o combate ao coronavírus, toda a equipe da Subprefeitura realizou a higienização das ruas do distrito, assim como os pontos mais importantes, como a praça, a Igreja e o Centro Comunitário. Um trator puxou um pulverizador que espalhou a solução com água e água sanitária para a limpeza das ruas.

*Fonte: Site da Prefeitura de Caxias do Sul ( www.caxias.rs.gov.br)

Foto: Andreia Copini