Meneguzzi Nenhum comentário

Vereador foi à tribuna do Legislativo para esclarecer respostas ao pedido de informações de sua autoria

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) foi à tribuna do Legislativo caxiense, na sessão desta terça-feira, 20 de agosto, para esclarecer as respostas ao pedido de informações de sua autoria, que solicitava esclarecimentos sobre a carga horária dos médicos que atuam no Centro Especializado em Saúde (CES). Ele foi à tribuna e contestou os registros do ponto funcional e questionou o fato de apenas um médico fazer plantões extras aos sábados, quando o local permanece fechado para atendimento à comunidade.

Ao perguntar se o CES funciona aos finais de semana, a Secretaria Municipal da Saúde respondeu que aos sábados e domingos pela manhã, funciona o Serviço de Assistência Domiciliar (SAD). Além disso, segundo o documento, aos sábados de manhã, os médicos envolvidos com o Projeto de Matriciamento da Rede Básica nas áreas de maior demanda (Gastro, Cardio, Dermato e Ortopedia) realizam, no Centro, através do SISSAP — Lista de Espera, registrar as orientações e devolutivas de avaliações para os Médicos da Rede Básica. Também no sábado pela manhã os Cardiologistas concluem a interpretação de todos os eletrocardiogramas da semana (são feitos semanalmente no CES em torno de 400 eletrocardiogramas).

Meneguzzi, no entanto, questiona que, de janeiro a junho de 2019, apenas um médico, que é o esposo da diretora do CES, trabalhou aos sábados, somando mais de 20 horas extras mensais, em alguns períodos.  Então a pergunta que fica é a seguinte: é suficiente apenas um médico para fazer todos esses procedimentos que foram fornecidos pela Secretaria da Saúde no CES? Outra pergunta que eu faço: Por que sempre o mesmo médico? Sempre o mesmo médico, marido da diretora do CES, fazendo hora extra todos os sábados? Se é tão importante assim, e é pela justificativa da Secretaria da Saúde, por que outros médicos não são colocados na escala de trabalho do CES aos sábados”, indagou na tribuna.

O parlamentar explicou que tomará medidas a fim de esclarecer se os outros 60 profissionais médicos não realizam esses plantões extras por falta de interesse ou se há algum acordo interno para que apenas o esposo da diretora possa trabalhar aos sábados. Ele não descarta a intenção de enviar a documentação para a Corregedoria do Município ou ao Ministério Público, pois considera abusiva a situação, sobretudo com relação aos cofres públicos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *