Meneguzzi Nenhum comentário

Parlamentar acredita que a mudança pode comprometer a continuidade do atendimento dos mais de 400 beneficiados

O integrante das Comissões de Saúde e de Educação do Legislativo de Caxias do Sul, vereador Alberto Meneguzzi/PSB revelou, na sessão desta terça-feira (30), um documento protocolado no Ministério Público do Estado (MPE) sobre a reorganização do Centro de Atendimento Psicossocial Infantojuvenil Intersetorial Mosaico Aquarela (CAPS), que inclui a mudança da sede localizada no Bairro Cinquentenário II. Segundo o documento, o Executivo pretende instalar um Centro de Atendimento Educacional Especializado, que ocuparia o prédio, onde são atendidos cerca de 400 usuários, entre crianças e adolescentes com transtornos mentais graves e persistentes.

Meneguzzi cobrou mais transparência do governo municipal com relação ao projeto. Isso porque os funcionários do CAPS e familiares dos beneficiados estão preocupados com a possibilidade da interrupção do atendimento. Os profissionais também estão apreensivos com o destino deles, que teriam sido convocados para realocação no serviço público municipal. “Se o governo está pensando no centro de atendimento especializado e da possibilidade de trocar o CAPS de local, não há uma informação. Este assunto, nunca foi debatido e nem apresentado aqui nas comissões. Quando não há transparência, até mesmo boas intenções acabam se transformando em ruídos da comunicação e isso gera uma instabilidade”, salientou.

O parlamentar ressaltou que no CAPS trabalham profissionais da saúde, educação e assistência social, todos capacitados para o atendimento. Ele disse ainda que buscou informações com as secretarias de Saúde e Educação, mas os próprios gestores também estavam desinformados. O vereador destacou a importância do projeto, porém questionou os critérios de necessidade e economicidade. “Eu acho que não é momento de fazer experimentos, ainda mais com conceitos da área da saúde, educação e assistência social. Retirar um órgão de um local e botar para outro, gastando em torno de R$ 8 mil em época de pandemia. O que a gente quer é que as secretarias envolvidas com o projeto conversem para tranquilizar os servidores e familiares dos usuários do serviço”, destacou.

Alberto Meneguzzi e outros vereadores se articulam para fazer um pedido de informações ao Executivo sobre o assunto. O documento deverá ser protocolado ainda esta semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *