Meneguzzi Nenhum comentário

Vereador também voltou a falar sobre a ocupação do prédio do Senai José Gazola por batalhão de choque

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) se manifestou durante o espaço da convocação do secretário municipal de Segurança Pública e Proteção Social, durante a sessão ordinária desta terça-feira, 17 de setembro. Na oportunidade, ele contestou Ederson de Albuquerque Cunha, sobre que medidas estão sendo tomadas para combater a criminalidade na cidade. O parlamentar enfatizou que a atual administração não prioriza a segurança pública. Ele retomou a fala sobre o termo de cessão de uso do prédio do antigo Senai José Gazola, no bairro São José, cuja lei determina que o espaço deva ser utilizado para a formação profissional de jovens e não para a implantação de batalhão de choque.

Meneguzzi também relatou a realidade de Caxias do Sul, que conta com 25 mil desempregados e outros 14 mil jovens esperando na fila por uma vaga de estágio. Recordou os casos de latrocínio (roubo seguido de morte), sempre envolvendo indivíduos ligados ao tráfico de drogas. Questionou a intervenção que foi feita no bairro Euzébio Beltrão de Queiroz, quais ações foram feitas, bem como a retirada do local que era destinado a Guarda Municipal, na região do bairro São Pelegrino.

Ele manifestou sua curiosidade com relação à função de um lutador de jiu-jitsu contratado pela prefeitura e o projeto de segurança. “Nós estamos desde o primeiro dia do governo do prefeito Daniel Guerra insistindo em questões práticas de diálogo com a Brigada Militar, com outras corporações. Não me surpreende o prefeito ter lhe convidado, mas o senhor, secretário, ter aceito o convite para integrar um governo que dá importância para a segurança pública”, completou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *