Meneguzzi Nenhum comentário

Caso revela a precariedade operacional do novo serviço de emergência de Caxias do Sul

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB repercutiu a denúncia do presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), Alexandre Silva, veiculada por meio de rede social, onde uma criança com um ferimento na cabeça, teria tido o pronto atendimento negado pela direção do Instituto Nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde (InSaúde), que administra a UPA Central – antigo Postão 24 Horas. A justificativa foi de que não há serviço de pediatria no local e a referência desta modalidade é a UPA Zona Norte. No vídeo, Silva informa que a criança teve que ser atendida pela equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), cuja sede fica nos fundos do prédio da UPA. Não há imagens do atendimento, em cumprimento ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Conforme Meneguzzi, o fato revela a precariedade do atendimento da UPA Central, pela empresa terceirizada na gestão do prefeito cassado, Daniel Guerra. “A UPA foi aberta a toque de caixa, na véspera da sessão que julgou o impeachment do ex-prefeito, de forma politiqueira, sem a quantidade de médicos suficientes para atender a demanda. Além disso, sem a pediatra, que foi prometida para funcionar a partir do último dia 6 de janeiro. Entretanto, até agora, a terceirizada não cumpriu este compromisso. Enquanto a terceirizada recebe valor integral pelo atendimento incompleto, o cidadão é quem paga a conta do sofrimento pela falta do serviço e do dinheiro público empregado nesta empresa privada”, afirma. Ainda segundo o parlamentar, faltou mais divulgação sobre a ausência de serviço pediátrico na UPA Central.

De acordo com o Portal da Transparência, o InSaúde já recebeu R$ 1.701.937,09 do Município. Deste total, o valor de R$ 723.483,55, a título de custeio de implantação (investimento inicial), foi pago no dia 19 de novembro do ano passado. O valor foi repassado pelo Executivo, 30 dias antes da abertura da UPA, ocorrida em 19 de dezembro. Um outro empenho de R$ 978.453,54 foi quitado no dia 7 de janeiro deste ano. Conforme o contrato, assinado em 30 de outubro de 2019 e válido por um ano, o InSaúde vai receber, mensalmente, R$ 1.956.907,07. O total da contratação é de R$ 24.206.368,39.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *