Meneguzzi solicita que Secretaria Municipal da Saúde fiscalize condições de trabalho de funcionários da UPA Zona Norte

março 29, 2020

O Vereador Alberto Meneguzzi/PSB irá encaminhar nesta segunda-feira ( 30), uma solicitação  Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (antigo Ministério do Trabalho) e à Secretaria Municipal da Saúde para que a fiscalização das condições de trabalho dos funcionários da UPA Zona Norte seja ainda mais rigorosa. O parlamentar, que é integrante  da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, também enviará oficio  para o SindiSaúde, sindicato que representa os trabalhadores do setor. No ofício, Meneguzzi relata  algumas denúncias sobre o falta de zelo e cuidado da empresa IGH com os seus funcionários neste período de combate ao Coronavírus
Segundo o  vereador,  “se uma empresa que recebe recursos públicos para atender a população usuária do SUS não trata com profissionalismo e zelo os seus próprios servidores, tem algo errado nisso. Quem cuida, também precisa de cuidados.”

O parlamentar recebeu denúncias de que trabalhadores da UPA, que se enquadrariam no grupo de risco do Coronanvírus,  continuam trabalhando, colocando em risco a própria  saúde, de colegas de trabalho e da população em geral.  “Se dentro de uma UPA há um número considerável de funcionários doentes, porque há resistência em afastar eles do trabalho?” questiona Meneguzzi.  As denúncias também vão desde  a falta de Equipamentos de Proteção Individual ( EPIs)  até de que funcionários que  estariam doentes e apresentam quadro de risco, continuam trabalhando sem a devida atenção da empresa.

O vereador solicita que os gestores da área da saúde façam a devida averiguação das denuncias.  “É bom lembrar que esta empresa recebe R$ 2,2 milhões para fazer a gestão da UPA e já apresenta um histórico de desrespeito ao contrato firmado com a Prefeitura de Caxias do Sul, que venho denunciando e fiscalizando desde 2017”, salienta.

Meneguzzi lembra  que o momento requer cuidados redobrados, principalmente, com quem está na ponta do atendimento da população, como os trabalhadores das duas UPAS, das UBSs e dos hospitais. “Num momento como o que estamos vivendo, os profissionais da área da saúde são os primeiros que precisam ser cuidados, pois eles é que estão na ponta do atendimento da população”, ressalta.

 

 

Meneguzzi sugere suspensão de cobrança da tarifa social do Samae por 90 dias

março 26, 2020

Vereador também indica que corte de água por atraso no pagamento seja suspenso

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB protocolou, nesta quinta-feira (26), uma Indicação ao Executivo, onde sugere a suspensão imediata da cobrança das contas beneficiadas com a tarifa social do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgotos (Samae). A medida valeria por 90 dias ou enquanto estiver em vigor qualquer decreto municipal de prevenção ao Coronavírus. O parlamentar também sugere que seja suspenso o corte no abastecimento de água dos usuários com contas em atraso. O documento é endereçado ao prefeito Flavio Cassina/PTB e ao diretor-presidente da autarquia, Idair Moschen.
“São mais de 12 mil famílias que pagam a tarifa social que seriam beneficiadas com a suspensão do pagamento. Tratam-se de famílias de baixa renda, muitas delas, com pessoas desempregadas. Fato este que se agrava com as medidas de contenção ao Coronavírus, devido à suspensão das atividades de muitas empresas e a escassez de oferta de trabalho autônomo, por exemplo. Acredito que essas sugestões podem colaborar para minimizar os efeitos dessa crise internacional na vidam das pessoas mais carentes”, afirma Alberto Meneguzzi.
A Indicação irá para análise do Executivo. Entretanto, Meneguzzi considera que é necessária a urgência na avaliação do pedido, a fim de que o benefício seja disponibilizado brevemente aos detentores da tarifa social do Samae.

Mobilização de Meneguzzi reverterá em R$ 125 mil ao Município

março 17, 2020

Legislativo aprovou parceria que vai beneficiar obras em órgãos públicos municipais

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB foi o principal articulador do projeto de lei do Executivo, que visava a autorização à Rede Dall’Onder de Hotéis, para a instalação de passarela sobre a Rua Isadora Sanvitto Andreazza Demore, ligando o Axten Hotel e o Shopping Center Iguatemi Caxias. A matéria foi aprovada, por unanimidade, na sessão desta terça-feira (17).

Em contrapartida pela autorização, o grupo Dall’Onder se comprometeu em investir R$ 125 mil em obras e reformas de imóveis de propriedade do Município. Os projetos ainda não foram definidos. Um detalhe do projeto é de que a passarela não será utilizada como espaço para publicidade.

O pedido do presidente do grupo, Tarcísio Michelon, vinha desde o governo anterior. “O prefeito cassado nem sequer recebeu o empresário para uma audiência. A solicitação emperrou na burocracia e na falta de vontade política daquele governo desastroso, que se manifestou dizendo que a culpa era do Legislativo. Entretanto, este ano, promovemos a aproximação de Tarcísio Michelon com o novo governo e, rapidamente, o projeto veio para a Câmara e foi votado. O Município só tem a ganhar com essa autorização, que vai reverter em benefício para a comunidade”, salientou Meneguzzi.

Ouça a notícia em podcast

 

Meneguzzi articula novo protocolo da Lei Antinepotismo

março 17, 2020

Proposta da bancada do PSB visa restringir o favorecimento familiar em cargos no Executivo e Câmara de Vereadores

Alberto Meneguzzi/PSB foi o principal articulador do novo protocolo do Projeto de Emenda à Lei Orgânica Municipal (PLOM), que regulamenta o Antinepotismo nos poderes Executivo e Legislativo municipal de Caxias do Sul. O documento foi protocolado na manhã desta terça-feira (17). O parlamentar conversou com todos os vereadores, que assinaram a proposição em autoria coletiva. No processo original do ano passado, havia a assinatura do atual presidente da Câmara, vereador Ricardo Daneluz/PDT. Ele foi o único que não assinou a nova versão. Isso porque o Regimento Interno proíbe que o detentor do cargo legisle no ano em que exerce o cargo.

A ideia original foi da bancada do PSB. A matéria foi protocolada em maio de 2019, tramitou nas comissões da Casa durante todo o ano, não sendo possível a votação. O principal entrave no processo foi o engavetamento pela gestão anterior, que deveria emitir parecer sobre a matéria, conforme indicado pelos órgãos de consultoria legislativa Igam e DPM. O novo governo devolveu o projeto em fevereiro deste ano, porém, os proponentes já haviam pedido tramitação por cópia. Mesmo assim, a assinatura de Daneluz impulsionou uma reedição da proposta.

Conforme o texto, fica proibida a nomeação de parentes até o terceiro grau de prefeito, vice-prefeito, secretários, presidentes e diretores de autarquias da administração indireta (Samae, FAS e Codeca), e vereadores como cargos comissionados (CCs). “Espero que, desta vez, a tramitação seja célere e possamos votar essa importante matéria ainda este ano, pela atual legislatura, deixando esse legado de moralidade, excluindo o nepotismo da Prefeitura e da Câmara de Vereadores. A assinatura de todos os vereadores reafirma nossa unidade em acabarmos com essa chaga que ainda atinge o setor público de Caxias do Sul”, afirma Meneguzzi.

Ouça a notícia em podcast

Meneguzzi denuncia que terceirizada da Prefeitura descumpre a CLT

março 12, 2020

Irregularidades atingem assédio moral e atraso no pagamento dos trabalhadores

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB encaminhou ao governo municipal, uma denúncia contra a CCS Serviços Terceirizados. A série de irregularidades foram denunciadas por empregados, e se referem ao descumprimento da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Algumas delas já haviam sido denunciadas pelo parlamentar, na sessão desta terça-feira (10).

As denúncias vão desde atraso no pagamento dos salários e benefícios sociais, apropriação indébita de recolhimento para a previdência social e desconto de faltas justificadas. A terceirizada atua com 45 trabalhadores, no Centro Administrativo Municipal, Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e no serviço Alô Caxias.

Meneguzzi encaminhou as denúncias para a gestão municipal. “O Executivo não tem sido conivente e tem cobrado dessa empresa terceirizada o cumprimento da lei trabalhista. O Município é solidário no contrato e pode ser responsabilizado, em conjunto, em caso de ações judiciais contra a empresa, que descumpre os direitos trabalhistas, mesmo que já tenha recebido o pagamento por parte do poder público”, salienta.

Conforme o vereador, a postura da terceirizada compromete a lisura necessária a toda empresa que recebe verba pública. “A CCs recebe o dinheiro do Município e não repassa a seus trabalhadores. Isso é uma irregularidade não só trabalhista como contratual com a Prefeitura. Se as irregularidades forem comprovadas, a empresa tem que ser responsabilizada, até mesmo com a rescisão do contrato”, pondera.

No início desta semana, um grupo de funcionários deixou os postos de trabalho em protesto contra o atraso salarial. O pagamento à empresa foi realizado em 26 de fevereiro pelo Executivo. Somente na terça-feira, o pagamento começou a ser regularizado.

 

PRINCIPAIS IRREGULARIDADES APONTADAS

– 13º salário pago em atraso, sem a multa devida ao trabalhador;

– Contribuição previdenciária descontada em folha e não repassada ao INSS, desde janeiro para a maioria dos funcionários;

– Funcionários demitidos há três meses ainda não receberam a rescisão;

– Vale-transporte para o mês de março pago com atraso e sem reajuste;

– Suposto assédio moral pós-manifestação de protesto pelo atraso salarial, por meio de grupo de WhatsApp, classificando os manifestantes como sendo trabalhadores irresponsáveis;

– Falta de diálogo ou agressão oral com funcionários por parte da direção;

com a direção;

– Desconto de falta justificada por atestado médico, sem o devido ressarcimento.

Sine Caxias do Sul, sexta-feira, 13 de março

março 12, 2020

Vagas do Sine 13/03/2020

ALIMENTADOR DE LINHA DE PRODUÇÃO

ANALISTA DE SUPORTE TÉCNICO

AUXILIAR DE LIMPEZA

AUXILIAR DE MANUTENÇÃO PREDIAL

AUXILIAR DE CORTE

AUXILIAR MECÂNICO DE AUTOS – URGENTE –

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

ATENDENTE BALCONISTA

ARTE

AUXILIAR DE CONFEITARIA

ATENDENTE DE CONFEITARIA

BALCONISTA – URGENTE –

CONSULTOR DE VENDAS

COSTUREIRA EM GERAL

CHAPEADOR DE AUTOMÓVEIS

COZINHEIRA EM GERAL

EDUCADOR INFANTIL

ELETRICISTA

FRESADOR (FRESADORA UNIVERSAL)

FISCAL DE LOJA

INSTALADOR DE ISOLANTES ACÚSTICOS

INSTALADOR DE CENTRAIS TELEFÔNICAS

INSTALADOR DE EQUIPAMENTOS DE TRANSMISSÃO EM TELEFONIA

JORNALISTA – CIDADE DE IRATI / PARANÁ

MARCENEIRO

MECÂNICO DE MANUTENÇÃO E INSTALAÇÃO DE APARELHOS DE CLIMATIZAÇÃO

MECÂNICO DE MANUTENÇÃO DE CAMINHÃO A DIESEL

MECÂNICO DE MANUTENÇÃO EM MÁQUINAS EM GERAL

MECÂNICO DE AUTOMÓVEL

MECÂNICO AJUSTADOR

MOTORISTA CARRETEIRO

MOTORISTA ENTREGADOR

MONTADOR SOLDADOR (40 VAGAS)

MONTADOR

OPERADOR DE VENDAS

OPERADOR DE VENDAS (LOJA) – PCD

OPERADOR DE TORNO COM COMANDO NUMÉRICO

OPERADOR DE TESOURA MECÂNICA E MÁQUINA DE CORTE

OPERADOR DE MÁQUINAS FIXAS EM GERAL

OPERADOR DE SISTEMAS DE INFORMÁTICA

OPERADOR DE RETROESCAVADEIRA

SERRALHEIRO

SERVENTE DE LIMPEZA

SOLDADOR

TÉCNICO ELETRÔNICO DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

TÉCNICO DE OPERAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÕES

TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TÉCNICO EM NUTRIÇÃO (TRABALHAR EM CARLOS BARBOSA)

TORNEIRO CNC -URGENTE –

VENDEDOR INTERNO

VENDEDOR PRACISTA

PCD – VAGAS EXCLUSIVAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COM LAUDO MÉDICO

AS VAGAS DESCRITAS ACIMA ESTARÃO DISPONÍVEIS DE ACORDO COM O NÚMERO DE CANDIDATOS

SOLICITADOS PELO EMPREGADOR.

Alberto Meneguzzi sugere ampla campanha de prevenção contra o Coronavírus

março 12, 2020

Parlamentar acredita que o Município deve promover a conscientização por meio da mídia e discutir ações com os hospitais

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB sugeriu, na sessão desta quinta-feira (12), que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promova uma campanha de prevenção ao Coronavírus, na mídia local. A sugestão ocorreu depois de a confirmação do primeiro caso da doença pelas autoridades de saúde, na noite desta quarta-feira (11).

O parlamentar também sugeriu a realização de uma reunião pública, com a participação de profissionais da área da saúde. “houve a capacitação dos servidores das UBSs, mas o que me preocupa é que os hospitais, como o Pompéia, por exemplo, não foi chamado para nenhuma reunião. Não precisa acontecer um caso segundo caso para chamar um hospital para discutir o assunto”, ponderou.

Meneguzzi ressaltou que, na entrevista coletiva do secretário Jorge Olavo Castro, faltaram mais detalhes sobre as circunstâncias do caso confirmado. “Faltou uma explicação melhor sobre a campanha que será feita pelo Município, em termos de esclarecimentos à população. É importante que a TV e a Assessoria de Comunicação da Câmara auxiliem nessa campanha. É uma emergência, uma situação que não é caótica, mas é importante fazer uma campanha esclarecimento”, afirmou.

O vereador exemplificou o caso de Porto Alegre, onde em uma entrevista coletiva, o Executivo reuniu o prefeito e toda a equipe da Secretaria da Saúde. “Essa dimensão de seriedade que a gente precisa ter na prática. O que será feito e qual o plano de esclarecimentos. Os hospitais já estão preparados, mas precisa fazer uma compilação de todas essas informações”, salientou.

Meneguzzi indicou, ainda, a utilização das redes sociais, emissoras de rádio e televisão e jornais para a campanha de prevenção contra o Coronavírus.

Ouça a notícia em podcast

 

Meneguzzi denuncia suposto superfaturamento de 357% em contrato do Ipam

março 11, 2020

Documentos revelam que gestão cassada pagou parcela de Censo Previdenciário que não foi realizado

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB, denunciou, na sessão desta quarta-feira (11), suposto direcionamento e superfaturamento de 357% em contrato do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (Ipam), em 2019, com a empresa Agenda Assessoria e Planejamento de Informática, com sede em Cuiabá/MT. A finalidade do contrato foi realizar o Censo Previdenciário. O caso ocorreu durante a gestão do prefeito cassado, Daniel Guerra, cujo presidente da autarquia era André Francisco Wiethaus.

Alberto Meneguzzi teve acesso aos documentos do processo, que supõem favorecimento ilícito à empresa, que foi a única que ficou para o final do julgamento da licitação. O vereador informou que o processo durou de setembro a novembro do ano passado, sete empresas foram convidadas e duas ficaram para o julgamento final. Além disso, questionou os motivos da contratação. “Este trabalho poderia ter sido feito pelos RHs dos órgãos públicos ou utilizada uma plataforma digital gratuita do governo federal. Entretanto, o Ipam contratou a empresa, que alegou dificuldade de época para realizar o serviço, por ser fim de ano. Porém, logo depois, pediram aditamento de prazo para fazer o Censo, e logo nos meses de janeiro e fevereiro, quando todo o Magistério e grande parte dos servidores estariam está de férias”, ponderou.

O valor do contrato é de R$ 979 mil. De acordo com os documentos, em 20 de dezembro – dia que iniciou a sessão de votação do impeachment do ex-prefeito – o Município pagou uma parcela de R$ 174 mil à empresa, sem que o serviço tenha sido realizado. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE), onde já foram ouvidos oito servidores. Meneguzzi defende que a denúncia também seja enviada para o Ministério Público Federal (MPF) e a investigação da empresa contratada. “O valor precisa ser devolvido aos cofres públicos e o contrato rescindido pelo Município. Sugiro ao atual governo que faça um pente fino em todos os contratos da gestão anterior para mostrar à população qual era o tipo de gestor que administrava Caxias do Sul”, afirma.

Ouça a notícia em podcast

 

Vereador cobra pagamento de salários por terceirizada da Prefeitura de Caxias

março 10, 2020

Alberto Meneguzzi critica política adotada pelo Executivo e lamenta prejuízo ao cidadão

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB, denunciou, na sessão desta terça-feira (10), que a empresa CCS Serviços Terceirizados não pagou os direitos trabalhistas dos funcionários, que trabalham para a Prefeitura de Caxias do Sul, referentes ao mês de fevereiro. Segundo informações recebidas de funcionários, a terceirizada quer mantém contratos com o Município no Centro Administrativo, Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e no serviço Alô Caxias, não haviam recebido o salário até a hora da sessão. Além disso, que a terceirizada não havia pago os vales Alimentação e Transporte.

Já passou do quinto dia útil e estes trabalhadores não receberam os salários nem mesmo a ajuda alimentação e para deslocamento para o trabalho. Pior de tudo é que a Prefeitura já fez o depósito desse valor para a empresa, no dia 26 de fevereiro. São 45 funcionários que não estão recebendo o pagamento e passando por essa situação”, ressalta.

Meneguzzi pediu que o Executivo adote as providências necessárias para que o valor repassado seja pago aos trabalhadores.

Ouça a notícia em podcast

 

Meneguzzi sugere cedência de servidor municipal para reabrir a agência do Ipe em Caxias

março 10, 2020

Parlamentar ressalta a necessidade do atendimento local para o funcionalismo estadual

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB sugeriu, na sessão desta terça-feira (10), que o Executivo realize a cedência de um servidor público municipal para o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (Ipe Saúde) reabra a agência em Caxias do Sul. A manifestação ocorreu em face de reclamações recebidas por representantes de várias categorias do funcionalismo público estadual.

O governo gaúcho fechou a sede do órgão na cidade por falta de servidor para cobrir a aposentadoria do que atuava na unidade. Ele acredita que se trata de descaso do poder público estadual. “É um absurdo que o governo do Estado não tenha um representante, um servidor aqui para atender não apenas os professores, mas os servidores da Brigada Militar, Polícia Civil, Susepe e todos os seus dependentes. Caxias do Sul com a pujança e a representatividade que tem não consegue colocar um funcionário aqui?”, questionou.

Ainda segundo Meneguzzi, este sistema de cedência já ocorre em Guaporé. O fechamento da agência local causa transtorno aos segurados e dependentes. “O Estado não coloca outro servidor e os beneficiários do Ipe Saúde precisam se deslocar para Farroupilha ou para outro município para conseguir o atendimento”, salienta.

Ouça a notícia em podcast