Meneguzzi se solidariza com a luta do magistério contra pacote do governo do Estado

novembro 21, 2019

Vereador ressaltou a mobilização da categoria e a atuação do Cpers

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se manifestou, na sessão desta quinta-feira (21), em favor da luta do magistério público estadual contra o pacote de medias enviado pelo governador Eduardo Leite/PSDB à Assembleia Legislativa. Ele lembrou que foi aluno de escola estadual, onde presidiu o Grêmio Estudantil da escola Estadual Emílio Meyer.

O parlamentar destacou que, naquela época (1987), enfrentou uma greve de quase 100 dias. Lembrou ainda do drama dos professores, que neste governo, recebem os salários atrasados e de forma parcelada. “Isso é um desrespeito ao trabalho do professor”, afirmou.

Meneguzzi salientou sobre a média salarial dos professores estaduais, que é de R$ 3.023, sendo que na segurança pública é de R$ 10 mil, assim como na Susepe e na Brigada Militar. Na Polícia Civil, a média chega a R$ 14 mil. “Não que as outras categorias devam ganhar mal, mas o professor deveria ganhar mais, deveria ganhar melhor. Então a luta de vocês é a nossa luta também do PSB”, enfatizou.

O vereador também destacou o trabalho do Cpers/Sindicato. “O importante é a luta, e o Cpers faz essa luta há muito tempo. Toda vez que faz essa luta ele é acusado de ser partidário. Mas, se não fosse a luta do Cpers, a educação, que já está ruim, estaria pior”, avaliou Meneguzzi.

Ouça a notícia em podcast

Meneguzzi reafirma importância do aumento do número de conselheiros tutelares em Caxias

setembro 26, 2019

Município conta com dois colegiados de cinco componentes cada e segundo a lei, pelo número de habitantes, deveria ter o dobro

Durante a sessão ordinária desta quinta-feira, 26 de setembro, o vereador Alberto Meneguzzi (PSB) falou sobre a necessidade e a importância do aumento do número de conselheiros tutelares para atenderem as demandas das crianças e adolescentes. A fala do parlamentar aconteceu em aparte ao vereador Elisandro Fiuza. Em 2017, Meneguzzi já havia sugerido à Fundação de Assistência Social (FAS), a criação de novo Conselho Tutelar. Atualmente, são 10 vagas disponíveis, embora a lei permita o dobro.

Caxias do Sul têm duas unidades, região Norte e Sul, as outras regiões são atendidas nesses Conselhos, mas acabam ficando desprotegidas devido a grande demanda. Com o aumento das evasões escolares e a crescente violência nas instituições de ensino, bem como nos ambientes familiares e sociais, o número não é suficiente.

Meneguzzi ressalta importância de participar desse processo eleitoral, os conselheiros desenvolvem um trabalho junto às escolas e entidades de proteção social, tendo como finalidade a integridade física e psicológica das crianças e adolescentes.“Sei que aqui em Caxias do Sul já comporta mais dez, no mínimo, pelas demandas que nós temos. Então nós temos que lutar por isso também para que tenhamos mais conselheiros tutelares como prevê a lei”, conclui.

 

Meneguzzi quer providências urgentes do governo do Estado do RS para reconstrução de muro da Escola Estadual Abramo Randon

setembro 14, 2019

” Um descaso, um absurdo”. É assim que o vereador Alberto Meneguzzi ( PSB) define a situação da Escola Estadual Abramo Randon. Parte do muro do local está destruído e a situação já vem de algum tempo. ” Um lástima que a educação seja tratada desta forma. Esta situação é vergonhosa, além de ser muito perigosa para quem precisa utilizar a calçada. Bem pertinho dali, tem ainda uma parada de ônibus” alerta Meneguzzi. O vereador do PSB caxiense disse que irá fazer na próxima segunda-feira, 16 de setembro, um ofício para a 4ª Coordenadoria de Educação pedindo providências urgentes e esclarecimentos a respeito da situação já que pelo local, circulam dezenas de pessoas. “Uma escola deste porte, com o número de alunos que tem, localizada onde está lnão pode ficar com parte de um muro destruído tanto tempo assim, colocando em risco a segurança de pedestres e alunos.”

O vereador Alberto Meneguzzi salienta ainda que a burocracia é o grande entrave no atendimento ás demandas de infraestrutura nas escolas estaduais. ” Se há um projeto sendo feito, um planejamento parar reconstruir um muro, que se agilize para que isso aconteça.” finaliza o parlamentar.

“Milhares de jovens em Caxias podem ficar sem bolsa de estudo”, diz Meneguzzi sobre possível modificação na lei previdenciária

setembro 11, 2019

Vereador demonstra preocupação com a situação dos bolsistas, muitas pessoas dependem desse recurso para frequentar escolas e universidades

Nesta quarta-feira, 11 de setembro, o vereador Alberto Meneguzzi (PSB) protocolou um ofício que sugere a realização de uma audiência pública da Comissão de Educação da Câmara acerca do risco de perda de bolsas de estudos de escolas e universidades em Caxias do Sul. De acordo com o noticiado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de reforma da Previdência, que tramita no Congresso Nacional, prejudica entidades como escolas e hospitais que disponibilizam esse subsídio, possuem certificado de filantropia e em contrapartida ficam isentas de contribuição com o INSS.

Conforme levantamento do Sindicato do Ensino Privado (Sinepe-RS), no Estado, cerca de 100 mil alunos podem perder o benefício. Meneguzzi é contra a reforma que segue em votação no plenário, em Brasília,e poderá trazer sérios problemas para estudantes assistidos por entidades filantrópicas. Caso seja aprovada, isso corresponde a 20% sobre a folha de salários de seus funcionários, valor que voltaria a ser cobrado.

Meneguzzi sugere a realização de um encontro, que reúna entidades acadêmicas estudantis, sindicatos, poder público, para que a partir dessa estimulação seja elaborado um documento. “A intenção é que esse material seja enviado aos parlamentares do Congresso Nacional, ressaltando a importância das bolsas de estudo para a educação e profissionalização de jovens, bem como para a saúde financeira das escolas e universidades”, conclui.

Falta de definição sobre novo coordenador da 4ª CRE preocupa Meneguzzi

agosto 7, 2019

Vereador sustenta a necessidade de ocupação do cargo por profissional técnico e não político, para que o governo do Estado seja coerente com seu discurso

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) se disse preocupado com a falta de agilidade do governo do Rio Grande do Sul na nomeação do novo coordenador ou nova coordenadora da 4ª Coordenadoria Regional de Educação (4ªCRE), em Caxias do Sul. Ele utilizou o Pequeno Expediente da sessão desta quarta-feira, 07 de agosto, para lamentar a demora e a contratação de empresa de fora do Estado para realizar o processo de seleção.

De acordo com Meneguzzi, o segundo semestre já está em andamento e até então permanece uma indefinição sobre o caro que, para ele, precisa ser ocupado por profissional técnico e não político. Somente assim, o Executivo estadual seria coerente com seu discurso. “Bom, é proibido? Não é, mas não seria descente, não é um critério justo se tem todo esse discurso de fazer uma gestão técnica e botar gente técnica para coordenadoria de Educação”, salientou.

 

Meneguzzi critica a falta de movimentação para a reposição de professores nas escolas estaduais

junho 5, 2019

Para o vereador, além de recorrentes, os problemas prejudicam o aprendizado das crianças e jovens

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) criticou, durante a sessão da terça-feira, 04 de junho, a falta de movimentação para a reposição de professores na rede estadual de ensino em Caxias do Sul. De acordo com ele, além dos docentes que se aposentam e se exoneram, os problemas estruturais de diversas instituições são recorrentes. Para ele, esses e outros fatores prejudicam o aprendizado das crianças e jovens.

Durante a sua fala, o parlamentar também citou que a ausência de docentes nas salas de aulas de diversas escolas e, sobretudo dos educandários do meio rural, se deve ao parcelamento dos salários por parte do governo gaúcho e também à situações de violência escolar. “Várias as escolas estão sem professores, os professores estão sofrendo com violência escolar, os alunos estão desinteressados, os pais estão desinteressados, as escolas não têm estrutura e ainda faltam colegas. Então os alunos acabam ficando às vezes sem aula e fora do colégio”, pontua.

Para Meneguzzi, prioridade deve ser a reforma e a construção de novas escolas

abril 20, 2019

Parlamentar afirma que os R$ 22 milhões projetados para o kit escolar possam ser utilizados para garantir estruturas adequadas de educação

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) se manifestou publicamente sobre o projeto de lei do prefeito Daniel Guerra (PRB), protocolado na última quinta-feira, 18 de abril, o qual prevê investimento de R$ 22 milhões a cada ano para fornecimento de uniforme aos estudantes da rede municipal de ensino de Caxias do Sul. Na visão do parlamentar, a prioridade deve ser o uso desse recurso na reforma e construção de novas escolas.

Publicado em suas redes sociais durante a Sexta-feira Santa, 19 de abril, o texto foi reproduzido pelo jornal Pioneiro deste sábado e domingo, 20 e 21, como abertura da coluna de política, assinada pela jornalista Rosilene Pozza. Meneguzzi considera importante fornecer o kit escolar, mas o momento é propício para investir nas estruturas. “Não é questão de ser contra: as crianças precisam estudar. O que faz mais sentido, ir para a escola e não ter o uniforme padronizado ou ter o uniforme e não ter escola? Basta ver o que aconteceu essa semana na escola Atiliano Pinguelo, com a queda de um muro. São várias as escolas com problemas de estrutura”, salienta.

Aprovada Lei assinada por Meneguzzi sobre divulgação de lista de espera da Educação Infantil

março 26, 2019

O texto, que segue para sanção ou veto do Executivo, foi protocolado pelos integrantes da Bancada do PSB, vereadores Alberto Meneguzzi, Edi Carlos Pereira de Souza e Edio Elói Frizzo

A divulgação da lista de espera na Educação Infantil poderá virar uma exigência ao município caxiense, tendo em vista que o projeto de lei 189/2017, que trata do assunto, recebeu a aprovação unânime dos parlamentares, nesta terça-feira (26/03). O texto, que segue para sanção ou veto do Executivo, foi protocolado pelos integrantes da Bancada do PSB, vereadores Alberto Meneguzzi, Edi Carlos Pereira de Souza e Edio Elói Frizzo.

“Parece um projeto simples, mas que toca em um aspecto fundamental para garantir direitos às pessoas: a transparência. Com ela, se evita o jeitinho. E passa a ser observada a necessidade, adotando critérios para a concessão das vagas a quem realmente precisa”, avalia Frizzo.

O conceito de transparência também foi defendido por Meneguzzi, lembrando que, quando foi presidente da Câmara (2018), inseriu a divulgação do conteúdo dos contracheques dos servidores no site da Casa, para que a população possa conferir o uso dos recursos públicos. Disse que o município deveria adotar sistemas eletrônicos para acompanhamento de serviços, como aplicativos e outros programas. Na questão da Educação Infantil, Meneguzzi considerou ser constrangedor para os parlamentares receber ligações de mãe e pais, desesperados, pedindo vagas aos filhos, e não conseguirem ajudar.

Na ótica do vereador Ricardo Daneluz (PDT), a adoção de critérios ajudaria a atender com mais eficiência tal demanda. Também da bancada do PDT, Gustavo Toigo defendeu mais atenção à primeira infância, fase que integra a Educação Infantil. Na visão do vereador Rafael Bueno (PDT), que elogiou os autores da matéria, essa proposta vem consolidar em lei algo que já é executado no município há alguns anos. O pedetista aproveitou para cobrar da atual administração vagas para uma fila de espera que, segundo ele, envolve 5 mil crianças atualmente.

O parlamentar Kiko Girardi (PSD) também cumprimentou os vereadores socialistas pela ideia e acredita que seria oportuno estendê-la para a área da saúde. De acordo com o líder de governo no Legislativo, vereador Elisandro Fiuza (PRB), a Casa já autorizou a prefeitura a efetuar financiamentos que serão também usados para melhorar o acesso ou a consulta da comunidade a serviços por meio de aplicativos e outras plataformas eletrônicas.

Pela proposta, a lista de divulgação de vagas da Educação Infantil deve conter a ordem de espera e contemplar individualmente cada unidade dessa etapa de ensino viabilizada pelo município e as escolas particulares onde foram compradas vagas.

Caso a proposição for sancionada, essa divulgação deverá apresentar as seguintes informações: nome do requerente, número de protocolo, data e hora da inscrição, número total de vagas atendidas pelo município e total de vagas disponíveis.

O PL também ressalta que a lista deverá ser afixada em local bem visível na Secretaria Municipal da Educação, além de ser disponibilizada no site oficial do município de Caxias do Sul.

Por fim, o texto diz que as informações serão de inteira responsabilidade do Poder Executivo municipal, devendo ser atualizadas imediatamente, sempre que houver alteração na disponibilidade das vagas.

O projeto de lei em discussão de número 189/2017 tem outro PL apensado, o de número 99/2018, devido à semelhança de conteúdo. Esse PL 99/2018 é de autoria do vereador Edson da Rosa (MDB).

Meneguzzi manifesta preocupação com estrutura de escola em Loreto da 2ª Légua

março 11, 2019

Vereador visitou a instituição, conversou com pais e equipe diretiva; entre os problemas, turmas que dividem a mesma sala de aula

O vereador Alberto Meneguzzi (PSB) visitou, na manhã desta segunda-feira, 11 de março, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Caetano Costamilan, na localidade de Loreto da 2ª Légua. Ele foi convidado pelos pais de alguns estudantes, sobretudo por fazer parte da Comissão de Educação da Câmara. O deslocamento teve o objetivo de conhecer a estrutura do prédio que atende a mais de 130 alunos e ouvir as demandas da comunidade escolar.

Meneguzzi manifestou preocupação com a estrutura da escola, uma vez que diversas turmas dividem a mesma sala de aula concomitantemente. De acordo com o vereador, além de dificultar o ensino, a situação pode representar problemas na aprendizagem dos alunos do interior caxiense. Entre outras demandas já solicitadas pela direção e professores, está a revisão da rede elétrica, que pode colocar em risco a vida de estudantes e professores.

A situação do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e a falta de investimento do Executivo na Escola Caetano Costamilan serão levados pelo vereador à Secretaria Municipal da Educação e também à Comissão de Educação da Câmara. “Essas crianças e as famílias deles precisam ser respeitados. Educação é investimento e por isso já encaminhei indicação à Smed, para que providencie, com urgência, atenção a essa localidade, uma vez que são atendidas crianças e adolescentes de diversas comunidades da regão de Forqueta”, salienta.

Projeto assinado por Meneguzzi para divulgação da lista de espera na Educação Infantil deve ser votado nos próximos dias

março 8, 2019

Proposta é da bancada do PSB e passou em primeira discussão na sessão da quinta-feira, 07 de março

Assinado pelo vereador Alberto Meneguzzi (PSB) como um dos autores, o projeto de lei 189/2017, que dispõe sobre a divulgação da lista de espera para vagas na Educação Infantil em Caxias do Sul, deve ser votado nos próximos dias, no plenário da Câmara Municipal. Pela proposta, que é de autoria da bancada do PSB, essa lista deve conter a ordem de espera para vagas na Educação Infantil e contemplar individualmente cada unidade dessa etapa de ensino viabilizada pelo município e as escolas particulares onde foram compradas vagas.

O projeto passou em primeira discussão na sessão ordinária da quinta-feira, 07 de março. De acordo com a matéria, a divulgação deve apresentar o nome do requerente, número de protocolo, data e hora da inscrição, número total de vagas atendidas pelo município e total de vagas disponíveis. A proposição também ressalta que a lista deverá ser afixada em local bem visível na Secretaria Municipal da Educação, além de ser disponibilizada no site oficial do município de Caxias do Sul.

Por fim, o texto diz que as informações serão de inteira responsabilidade do Poder Executivo municipal, devendo ser atualizadas imediatamente, sempre que houver alteração na disponibilidade das vagas. De acordo com Meneguzzi, a proposta é simples e demanda mais de bom senso do que de dispositivo legal. “São coisas que nem precisariam de lei. Bastaria o poder público pensar na transparência e na melhoria dos atendimentos. São inúmeras as pessoas que nos procuram sem saber o que fazer, porque não são chamadas. Se virar lei, pelo menos saberemos a quantas anda a fila”, completa.

Assinaram o projeto, também como autores, os vereadores Edi Carlos Pereira de Souza e Elói Frizzo.